Edição do dia

Quarta-feira, 28 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
18.9 °
15.9 °
77 %
2.1kmh
40 %
Qua
20 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
15 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Activos do sector financeiro crescem para os 2,6 mil milhões de patacas

      Activos do sector financeiro crescem para os 2,6 mil milhões de patacas

       

      A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) indicou ontem que, no ano passado, o peso do sector financeiro no valor acrescentado bruto de todos os ramos da actividade económica foi de 17,2%, ou seja, mais 10,3 pontos percentuais em comparação com os 6,9% de 2019. O organismo diz ainda que, no terceiro trimestre deste ano, o total de activos do sector financeiro atingiu 2,6 mil milhões de patacas, o que representa um aumento de 24,2% em relação ao final de 2019.

       

      Em 2022, o peso do sector financeiro no valor acrescentado bruto de todos os ramos de actividade económica foi de 17,2%, o que corresponde a um aumento de 10,3 pontos percentuais em relação aos 6,9% em 2019, indicou ontem a Autoridade Monetária de Macau (AMCM).

      Em comunicado, o organismo indicou ainda que, no final do terceiro trimestre deste ano, o total de activos do sector financeiro em Macau atingiu 2,6 mil milhões de patacas, representando um aumento de 24,2% em relação ao final de 2019. Este ano, foram autorizados a operar em Macau dois novos tipos de instituições financeiras, e várias instituições financeiras autorizadas em 2022 iniciaram as suas actividades, lembrou a AMCM.

      A autoridade assinala ainda que, já este ano, o Ministério das Finanças da República Popular da China procedeu à terceira emissão de obrigações nacionais em Macau, bem como apoiou o Governo Popular da Província de Guangdong na terceira emissão das suas obrigações em Macau. Até ao final de Outubro, foram emitidas ou cotadas 343 obrigações em Macau, com um montante equivalente a 525,2 mil milhões de patacas.

      Com a reformulação do regime jurídico do sistema financeiro, que entrou em vigor em Novembro, foi oficialmente implementado o “regime de registo” para a emissão pública de obrigações em Macau. “A AMCM efectuou uma análise exaustiva e reviu as orientações e os procedimentos administrativos relativos à actividade obrigacionista, tendo lançado a primeira ronda de consultas ao sector sobre a lei de valores mobiliários de Macau”, lê-se no comunicado, que acrescenta que, paralelamente, a AMCM “está a aperfeiçoar o sistema da Central de Depósito de Valores Mobiliários (CSD), com vista a interligá-lo ao sistema de depósito internacional, atraindo mais investidores internacionais. A melhoria gradual dos diferentes regimes jurídicos, dos mecanismos do sistema e das medidas de apoio contribuirão para aumentar a confiança dos participantes no mercado obrigacionista de Macau e para reforçar a competitividade do mercado”.

      O organismo assinalou ainda que foram lançadas medidas destinadas à facilitação do estabelecimento em Macau de sociedades gestoras de fundos privados qualificadas na Zona de Cooperação Aprofundada. “Para reforçar a promoção do desenvolvimento da actividade de gestão de fundos, a AMCM está a promover a revisão da lei dos fundos e a elaborar as respectivas orientações sobre o desempenho das funções dos fiduciários de fidúcia, a fim de se articular com a aplicação da lei da fidúcia; Paralelamente, a AMCM está também a estudar medidas para atrair as sociedades de gestão de activos a estabelecerem-se em Macau”, recordaram as autoridades.