Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.9 ° C
25.4 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
75 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Concessão da Air Macau prorrogada por mais três anos até nova proposta...

      Concessão da Air Macau prorrogada por mais três anos até nova proposta de lei ser aprovada  

      A nova Lei da Actividade de Aviação Civil dentro de três anos vai abrir o mercado de aviação civil na RAEM, passando a autorizar que outras companhias aéreas aqui se estabeleçam e obtenham licenças para operar no espaço aéreo. Até lá, a Air Macau vê o seu contrato de prestação de serviço estendido.

       

      Foi em comunicado que a Autoridade de Aviação Civil (AACM) avançou que nos próximos três anos, ou até que entre em vigor a nova lei, a Air Macau irá continuar a ser a entidade central de serviços de aviação comercial de Macau, mantendo-se “o actual regime de concessão das companhias aéreas para que a Air Macau possa continuar a prestar serviços ininterruptos aos residentes e visitantes de Macau”. Recorde-se que o actual contrato de concessão para a prestação de serviço de transporte aéreo da Air Macau terminava este mês.

      Até à entrada da nova lei, as companhias aéreas estrangeiras continuam a poder voar para Macau, com a AACM a prometer que continuará a agilizar a “aprovação dos pedidos de voos para satisfazer as necessidades dos operadores, bem como a colaborar com as companhias aéreas no lançamento de campanhas turísticas nos mercados internacionais”, e no interior da China. Quanto ao recrutamento de novo pessoal para expansão da rede de aviação de Macau, também vão ser desenvolvidos esforços para “atrair profissionais para desenvolverem as suas carreiras e contribuírem para o desenvolvimento futuro da indústria da aviação”, acrescentou ainda o comunicado publicado na página da AACM.

      A proposta de Lei da Actividade de Aviação Civil foi aprovada na generalidade no dia 20 de Junho, ficando agora à espera para ser discutida nas comissões de especialidade, e votada na especialidade em sessão na Assembleia Legislativa. Na altura, em Junho, o secretário para os Transportes e Obras Públicas avançou que as novas licenças de actividades serão atribuídas através de concurso público, mas revelou que o número de licenças a atribuir vai ser reduzido devido ao tamanho da cidade e ao volume da população. Também foi garantido nesse debate no hemiciclo que a Air Macau será uma das licenciadas, com isenção de participação no concurso público. Raimundo do Rosário adiantou que o Governo está a realizar os trabalhos preparatórios sobre a expansão do Aeroporto Internacional de Macau, depois de o Governo Central ter dado aprovação ao projecto do Governo de Macau em Outubro do ano passado. O governante disse estar confiante que as obras da construção de aterros possam ser iniciadas antes de Outubro do próximo ano.

      A proposta da lei prevê ainda uma extensão do prazo de 25 anos para as licenças de exploração, para permitir que a entidade licenciada tenha em “condições normais de rendabilidade”, o tempo adequado “para amortizar os capitais investidos”. As entidades candidatas a licença vão ainda ser sujeitas a um processo de verificação da capacidade financeira e técnica, e de terem aqui uma presença como sociedade anónima, com caução dada como garantia do cumprimento das obrigações legais decorrentes da licença, uma medida que certamente visa prevenir situações como a da antiga Viva Macau, que entrou em falência.

      Outra das novidades da nova proposta é a da reformulação obrigatória do Regulamento de Navegação Aérea da Macau (RNAM) a cada dois anos, já que este sector está sempre a ser alvo de alterações e actualizações. “O sector da aviação civil é um sector altamente regulado internacionalmente”, e como tal Macau é obrigado a seguir diversas normas obrigatórias da Organização da Aviação Civil Internacional.

      Já que esta entidade procede à alteração das normas e práticas recomendadas de forma frequente, e até duas vezes por ano, “torna-se necessário proceder à actualização do RNAM frequentemente, por forma a manter os padrões de segurança do sector de aviação civil da RAEM aos níveis internacionais”, destacou a proposta de lei. Também se vai passar a incluir a língua inglesa, para além das línguas oficiais, no novo regulamento, visto este também ser aplicável a operadores de aeronaves do exterior.