Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
17.9 °
15.9 °
88 %
3.1kmh
40 %
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
16 °
Dom
20 °
Seg
22 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Economia Abrandamento económico mundial e taxas de juro condicionam imobiliário em Macau

      Abrandamento económico mundial e taxas de juro condicionam imobiliário em Macau

      Uma imobiliária de Macau afirmou ontem que a abertura das fronteiras após a pandemia “impulsionou significativamente” o arrendamento comercial no território, apesar do abrandamento da economia mundial e a subida das taxas de juro terem afectado o sector.

       

      “Apesar da recuperação económica de Macau ter estabilizado, a subida das taxas de juro, o abrandamento da economia mundial e abrandamento da recuperação económica na China continental pesam sobre o mercado imobiliário em Macau”, referiu o director da JLL Macau Mark Wong, numa conferência de imprensa para apresentar uma análise do sector entre Janeiro e Junho deste ano. Os investidores “continuam a adoptar uma atitude de esperar para ver em relação ao mercado imobiliário”, constatou.

      A JLL disse que o mercado de arrendamento de imóveis residenciais em Macau “beneficiou do regresso de trabalhadores expatriados” ao território após o levantamento, no início do ano, das medidas antipandémicas.

      As rendas dos imóveis de luxo subiram 13,7% na primeira metade de 2023, enquanto dos restantes imóveis o aumento fixou-se em 8,2%. Apesar disso, “as vendas das casas permanecerem num mínimo histórico”, salientou o director-geral da JLL para Macau e Zhuhai, Oliver Tong. “Embora os preços das casas tenham registado um crescimento moderado no primeiro semestre de 2023, os atuais indicadores de mercado não são favoráveis ao mercado imobiliário e o preço das casas caiu mais de 10% em relação aos níveis anteriores à pandemia”, indicou.

      No que diz respeito ao sector comercial, a agência referiu que o valor das rendas de principais lojas de rua recuperou 9,5% em termos homólogos no primeiro semestre do ano. “O comportamento de compra e as preferências dos turistas alteraram-se após a reabertura das fronteiras. Por isso, a procura de arrendamento de imóveis para venda a retalho é principalmente impulsionada por comerciantes de farmácias, [de lojas de] recordações, de marcas do mercado de massas e de alimentação e bebidas”, disse Tong. O director frisou que as marcas de luxo “começaram a regressar gradualmente ao mercado retalhista, mas continuam cautelosas em relação ao mercado”.

      Por outro lado, “o Governo aumentou recentemente o prémio [de concessão] dos terrenos, o que poderá reduzir drasticamente os lucros dos promotores imobiliários e, consequentemente, afectar o mercado dos terrenos”, acrescentou Mark Wong, calculando que o investimento no imobiliário “se mantenha moderado” no segundo semestre do ano.

      Dados oficiais indicaram que o produto interno bruto (PIB) da RAEM atingiu 74,1 mil milhões de patacas nos primeiros três meses de 2023, subindo 38,8% em relação ao período homólogo de 2022. Além disso, o território recebeu 11,64 milhões de turistas no primeiro semestre do ano, valor que representa um aumento de 236,1% em relação ao mesmo período do ano anterior, de acordo com a Direcção dos Serviços de Estatísticas e Censos (DSEC). Lusa

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau