Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
4.6kmh
40 %
Dom
28 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeFAOM apressa Governo para aumentar salário mínimo

      FAOM apressa Governo para aumentar salário mínimo

       

      Na reunião da semana passada do Conselho Permanente de Concertação Social (CPCS), o Governo propôs aumentar o salário mínimo para 34 ou 36 patacas por hora. A iniciativa é vista com bons olhos por parte da Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM), que, num comunicado enviado às redacções, pede que o Executivo acelere o processo.

       

      Na reunião de quinta-feira do Conselho Permanente de Concertação Social (CPCS), o Governo propôs aumentar o salário mínimo para 34 ou 36 patacas por hora. O salário mínimo – que não se aplica a trabalhadores domésticos nem a portadores de deficiência – está actualmente nas 32 patacas por hora, ou seja, 6.656 patacas por mês. Após a manifestação da intenção por parte do Governo, a Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM) divulgou um comunicado a aplaudir a medida.

      No comunicado, assinado pelos deputados Lam Lon Wai e Lei Chan U, os Operários apontam que “o nível actual do salário mínimo não pode proporcionar uma protecção sustentável aos trabalhadores com baixos salários”. Tendo em conta a inflação, “é necessário rever em alta o nível do salário mínimo”. Por isso, pedem ao Governo que faça a revisão da lei do salário mínimo para os trabalhadores dentro dos próximos dois anos, “de modo a proteger os direitos laborais dos trabalhadores”.

      O aumento do salário mínimo “ajudará a proteger os trabalhadores com baixos rendimentos e a concretizar a intenção original da lei do salário mínimo, que é reduzir a desigualdade e a pobreza no trabalho”, diz a FAOM, lembrando que muitos trabalhadores estão sujeitos a congelamentos salariais “há muitos anos”. Por isso, apelaram também às empresas para que sejam aumentados os salários dos seus trabalhadores em tempo útil, “de modo a que os assalariados no geral possam também partilhar os frutos da recuperação económica e do desenvolvimento da sociedade”.

      A FAOM citou um relatório da Organização Mundial do Trabalho, que dizia que a inflação estava a prejudicar o poder de compra do grupo com salários mais baixos e que um “salário mínimo adequado ajudaria a garantir mais justiça social e a reduzir as desigualdades na era pós-pandemia”.

      Por outro lado, os Operários também sugerem que o Governo tome como referência a região vizinha, onde é feita uma revisão do salário mínimo impreterivelmente de dois em dois anos. Em Macau, a lei do salário mínimo para os trabalhadores entrou em vigor a 1 de Novembro de 2020 e o valor ainda não foi actualizado, apesar de o diploma prever que “a primeira revisão do valor do salário mínimo ocorre dois anos após a entrada em vigor da presente lei e, posteriormente, uma vez em cada dois anos, podendo o respectivo valor ser actualizado de acordo com a situação do desenvolvimento económico”.

      Assim, a associação espera que o Governo de Macau crie, tal como existe em Hong Kong, uma comissão para acompanhar as questões relacionadas com a revisão do salário mínimo e, ao mesmo tempo, para melhorar o mecanismo de revisão do salário mínimo, de modo a concluir todo o processo de revisão em dois anos, incluindo já a conclusão do relatório sobre a revisão, a discussão da comissão e a alteração da lei, em vez de ser feito apenas um relatório sobre a revisão a cada dois anos, como tem acontecido em Macau.