Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva moderada
34.3 ° C
34.3 °
34.3 °
77 %
6.1kmh
90 %
Ter
34 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaVencedor das eleições na Tailândia falha 1ª votação parlamentar para cargo de...

      Vencedor das eleições na Tailândia falha 1ª votação parlamentar para cargo de PM

      O político reformista tailandês Pita Limjaroenrat declarou que “não vai desistir”, após uma primeira votação no Parlamento em que falhou os votos necessários para tomar posse como primeiro-ministro.

       

      “Não vou desistir”, afirmou Pita Limjaroenrat , 52 anos, perante os jornalistas após a votação, adiantando que vai apresentar uma nova estratégia para convencer os senadores nomeados directamente pela Junta Militar que se opõem frontalmente à sua nomeação.​​​​​​​Pita Limjaroenrat, candidato progressista a primeiro-ministro da Tailândia viu ontem afastado o apoio do Parlamento para ser eleito, mas ainda se prevê uma nova sessão na semana.

      Líder de uma coligação de oito partidos políticos, o candidato tinha de obter, pelo menos, o apoio de 376 deputados na votação em que participaram 500 membros da Câmara dos Representantes, eleitos em maio, e 250 senadores apontados diretamente pela Junta Militar em 2019.

      O candidato do partido Avançar conseguiu o apoio de 321 parlamentares, ficando a 55 votos da nomeação para chefe de Executivo da Tailândia.

      O partido progressista pretende implementar políticas capazes de promover a reforma democrática na Tailândia, sendo frontalmente contrário às políticas implementadas pelos militares na última década.

      Em Maio, o partido de Pita Limjaroenrat venceu as eleições com 14 milhões de votos, tendo alcançado 151 lugares no Parlamento de Banguecoque, com duas câmaras.  Pita formou uma coligação, conseguindo um total de 312 lugares na Câmara dos Representantes.

      Por não ter conseguido alcançar o apoio na sessão de ontem, o Parlamento tailandês programou a segunda votação para o dia 19 de Maio e, caso seja necessário, uma terceira para o dia 20 de Maio, em que Pita ou outro candidato se podem apresentar ao cargo de primeiro-ministro.

      A sessão de ontem foi marcada pelo tom crispado de vários deputados e sanadores contrários ao compromisso de Pita Limjaroenrat ​​​​​​​e do partido Avançar no sentido da reforma das leis que protegem de “todas as críticas” a Casa Real da Tailândia. As críticas à monarquia podem levar a condenações até 15 anos de cadeia.

      Um dos adversários de Pita Limjaroenrat ​​​​​​​disse mesmo que pretende reformar a lei para permitir às pessoas “dispararem” contra quem critique o monarca da Tailândia, o que provocou polémica no Parlamento.

      A votação decorreu um dia depois de a Comissão Eleitoral ter apresentado uma queixa junto do Tribunal Constitucional que pode inabilitar Pita por causa de um caso de posse de ações não declaradas de um canal de televisão.

      Por outro lado, o Tribunal Constitucional também aceitou a reclamação contra o partido Avançar por “supostamente” pretender “fazer cair” o sistema democrático, com o rei como Chefe de Estado. No limite, o partido progressista pode vir a ser dissolvido.

      Os processos judiciais contra Pita Limjaroenrat ​​​​​​​e o partido Avançar são semelhantes ao caso Future Foward, partido anterior, dissolvido em fevereiro de 2020 por ordem judicial.

      Os líderes do anterior partido da oposição estão inabilitados de exercer cargos políticos durante dez anos, por terem recebido “empréstimos ilegais”. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau