Edição do dia

Quarta-feira, 19 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
30.9 ° C
32.9 °
30.9 °
84 %
5.1kmh
40 %
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °
Dom
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeRecrutamento de médicos portugueses para o Hospital das Ilhas está em andamento...

      Recrutamento de médicos portugueses para o Hospital das Ilhas está em andamento  

      Foram cerca de dez médicos portugueses que as autoridades de Macau entrevistaram durante a visita de Elsie Ao Ieong a Portugal, em Maio, no âmbito de recrutamento para o Hospital das Ilhas. A secretária para os Assuntos Sociais e Cultura revelou ainda que vão ser contratados em breve mais de 400 profissionais médicos, com prioridade para os residentes. O Complexo de Cuidados de Saúde das Ilhas deverá estar a funcionar em pleno nos próximos dez anos.

       

      As autoridades já iniciaram o recrutamento de médicos de Portugal para o novo Complexo de Cuidados de Saúde das Ilhas. A secretária para os Assuntos Sociais e Cultura adiantou que tinham sido realizados os procedimentos de entrevista a cerca de dez médicos portugueses aquando da sua visita a Portugal, em Maio, e os trabalhos relacionados continuam em andamento.

      Como já tinha sido noticiado, o Hospital das Ilhas deverá entrar na sua primeira fase de funcionamento em Dezembro deste ano, e o Governo está agora a trabalhar na contratação de recursos humanos.

      Lei Wai Seng, coordenador do Gabinete Preparatório do Centro Médico de Macau do Peking Union Medical College Hospital/Hospital de Macau, acrescentou que está actualmente na fase da revisão inicial dos currículos dos médicos, cuja maioria é profissionais da medicina interna, e há também médicos da medicina familiar e anestesistas. Existem ao mesmo tempo candidatos que acabaram de concluir o estudo na faculdade.

      A secretária Elsie Ao Ieong, na mesma linha, salientou que vai abrir em breve o recrutamento público de pessoal médico para preencher mais de 400 postos de trabalho, assegurando que a contratação dará prioridade aos residentes. “Só se recorrerá ao recrutamento no interior da China e no exterior em caso de escassez de recursos humanos locais”, sublinhou.

      À margem de uma reunião da Comissão Permanente da Assembleia Legislativa (AL) para o regime de gestão do Complexo de Cuidados de Saúde das Ilhas na passada sexta-feira, Elsie Ao Ieong avançou ainda que o Peking Union Medical College Hospital vai enviar 50 funcionários para o Hospital das Ilhas para exercerem funções de gestão. Segundo a responsável, o progresso actual de contratação “está de acordo com o plano” do Governo.

      O novo Centro Médico de Macau do Peking Union Medical College Hospital do Complexo de Cuidados de Saúde das Ilhas vai adoptar tarifas classificadas em três níveis, visando prestar “serviços privados de cuidados médicos, com o pressuposto de dar prioridade à satisfação dos serviços públicos de cuidados médicos”.

      De acordo com Elsie Ao Ieong, o nível I da tarifa destina-se a residentes de Macau que actualmente usufruem de cuidados médicos gratuitos, que poderão continuar a ter mesmas condições de serviços médicos no Hospital das Ilhas, quando forem transferidos pelos Serviços de Saúde.

      Já o nível II é dedicado aos residentes transferidos pelo Serviços de Saúde mas que não usufruem de cuidados médicos gratuitos, sendo as tarifas cobradas “de forma razoável”, enquanto o nível III trata-se da prestação de serviços médicos privados de alta qualidade, em que a tarifa terá como referência o preço do mercado.

      A secretária revelou também que serão fixadas tarifas diferentes entre os residentes locais que recorrem ao serviço e usufruem de seguro médico e os não-residentes que fazem consultas de serviço especializado em Macau. O Governo vai ainda discutir com o Hospital sobre os eventuais descontos para residentes.

      Além disso, o Centro Médico estará equipado com mil camas, e o Governo espera que o Hospital das Ilhas possa entrar em pleno funcionamento dentro de cinco a dez anos. Segundo notou o presidente da 3.ª Comissão Permanente da AL, Vong Hin Fai, após a análise da proposta de lei sobre a gestão do novo hospital, os hospitais em Hong Kong e no mundo levam geralmente cinco anos para funcionar em pleno.

      O deputado afirmou que os serviços de urgência do Hospital da Universidade junto da Universidade de Ciência e Tecnologia (MUST) vão ser transferidos para o Hospital das Ilhas até ao final do ano, para que a nova unidade de saúde preste, na fase inicial, serviços de exames médicos, atendimento de consultas externas de especialidades, de forma a aliviar a pressão dos hospitais existentes.

      Vong Hin Fai enfatizou ao mesmo tempo que o recrutamento de pessoal para o novo hospital será certamente público, sendo justo e aberto, bem como de forma contínua e flexível, frisando que não afectará os recursos humanos das instituições médicas públicas e privadas locais.