Edição do dia

Terça-feira, 18 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
31.7 ° C
34.8 °
30.9 °
89 %
5.1kmh
40 %
Ter
32 °
Qua
31 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina condena "protecção" oferecida pelo Reino Unido a oito activistas de Hong...

      China condena “protecção” oferecida pelo Reino Unido a oito activistas de Hong Kong

       

      A China condenou ontem “a protecção” oferecida pelo Reino Unido a oito activistas pró-democracia de Hong Kong no exílio, que considera “fugitivos“.“Os políticos britânicos ofereceram abertamente protecção aos fugitivos”, condenou um porta-voz da embaixada chinesa no Reino Unido num comunicado, lamentando “a interferência” de Londres nos assuntos internos da China.

      Hong Kong procura oito ex-advogados e activistas, agora a viver em países como Canadá, Austrália, Reino Unido e Estados Unidos, sob investigação pela polícia de Hong Kong por casos de “conluio com forças estrangeiras”, de acordo com o jornal South China Morning Post.

      O grupo inclui os antigos deputados pró-democracia Nathan Law Kwun-chung, Ted Hui Chi-fung e Dennis Kwok Wing-hang, o antigo sindicalista Mung Siu-tat e os ativistas Elmer Yuen Gong-yi, Finn Lau Cho-dik, Anna Kwok Fung-yee e Kevin Yam Kin-fung.

      Na segunda-feira, a polícia ter prometido recompensas por informações que levem à detenção dos oito activistas. Ontem de manhã, o chefe do Governo de Hong Kong, John Lee, pediu aos activistas que se entregassem para não viverem “com medo”. “A única maneira de acabar com o destino de fugitivos, pelo qual serão perseguidos para o resto da vida, é renderem-se”, disse, em conferência de imprensa, acrescentando que, caso contrário, vão ter de viver “com medo”.

      Os oito activistas deixaram Hong Kong depois de Pequim ter imposto a lei de segurança nacional no território, em 2020, na sequência dos protestos antigovernamentais ocorridos um ano antes.

      Lee também apelou ao público para ajudar a polícia, acrescentando que até “familiares e amigos” dos activistas podiam fornecer informações. A medida foi denunciada pelos Estados Unidos, Reino Unido e Austrália, países onde residem alguns dos activistas procurados. “Não tenho medo das pressões políticas sobre nós, porque estamos a fazer o que pensamos ser correcto”, afirmou Lee.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau