Edição do dia

Sábado, 22 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
30.9 ° C
31.9 °
30.9 °
79 %
4.1kmh
40 %
Sáb
31 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeAntigo piloto da Air Macau integrou equipa de resgate de avião estacionado...

      Antigo piloto da Air Macau integrou equipa de resgate de avião estacionado na Ucrânia

      O piloto português Frederico Alves Moreira, que chegou a fazer parte dos quadros da Air Macau, esteve por detrás de toda a operação de resgate de um avião comercial num aeroporto da Ucrânia no passado dia 1 de Junho, noticiou o portal Newsavia, que escreveu ainda que o trabalho, referiu o comandante, requereu uma longa preparação e grande secretismo atendendo à situação de guerra que hoje se vive naquele país”.

      O Airbus A330-300, ao serviço da SmartLynx, tinha aterrado no aeroporto de Lviv, na Ucrânia, a 23 de Fevereiro de 2022, véspera da invasão da Rússia. Naquela altura, fazia um voo de carga, com a cabina de passageiros configurada temporariamente para aquele efeito. Na verdade, o aparelho da SmartLynx era o único avião civil que restava no Aeroporto de Lviv, que foi poupado aos bombardeamentos russos. A operação de resgate do aparelho foi planeada durante oito meses, explicou Frederico Alves Moreira ao Newsavia

      Frederico Alves Moreira começou a sua carreira de piloto comercial na Air Luxor, em Portugal, estando desde há 16 anos a trabalhar no estrangeiro, tendo passado por companhias, para além da Air Macau, como a Qatar Airways, AtlasJet e Hong Kong Airlines até chegar ao Dubai, onde foi o primeiro português a ser certificado como comandante do Airbus A380, o maior avião comercial do mundo, na Emirates.

      O piloto português aceitou o desafio da sua entidade patronal, mas colocou como condição apenas fazer o resgate depois de completar 50 anos. No dia seguinte, viajou para a Polónia e depois até ao aeroporto de Lviv, num percurso secreto, orientado por pilotos ucranianos, que também estiveram envolvidos na operação.

      O risco era grande e, em parte, desconhecido na sua totalidade. A partida do avião ocorreu cedo, pela manhã. Na partida de Lviv, o avião voou cerca de 12 minutos sobre território ucraniano com o transponder desligado. Todos os contactos com a torre de controlo do aeroporto foram realizados via WhatsApp, entre os telemóveis do comandante e do controlador aéreo. Ultrapassada a fronteira foram ligados os sistemas de rádio. Chegaram à cidade polaca de Varsóvia, onde o avião reabasteceu, tendo continuado viagem para Chateauroux, em França, onde agora será totalmente inspeccionado e sujeito a revisão técnica.

      No cockpit da aeronave seguiram dois comandantes. Para além do português, viajou igualmente o britânico David Kinnersley, um piloto com grande experiência, nomeadamente na aviação de transporte militar.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau