Edição do dia

Terça-feira, 7 de Fevereiro, 2023
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
17.9 ° C
19.9 °
17.9 °
94 %
1kmh
40 %
Ter
22 °
Qua
19 °
Qui
20 °
Sex
20 °
Sáb
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Governo promete começar a relaxar restrições

      Governo promete começar a relaxar restrições

      Elsie Ao Ieong, secretária para os Assuntos Sociais e Cultura, afirmou ontem que o Governo vai começar a relaxar as restrições pandémicas em breve. "Não nos podemos manter fechados em Macau para sempre", referiu a secretária, à margem da reunião plenária da Assembleia Legislativa, acrescentando: "O Governo protegeu os cidadãos durante três anos, agora cada um tem de proteger a sua própria saúde".

      Elsie Ao Ieong deixou ontem a garantia de que o Governo vai começar a relaxar as restrições impostas devido à Covid-19, três anos depois do início da pandemia. Em declarações à margem da reunião plenária de ontem da Assembleia Legislativa (AL), a secretária para os Assuntos Sociais e Cultura afirmou: “Não nos podemos manter fechados em Macau para sempre”.

      Citada pelo jornal Exmoo, a secretária salientou que a variante Ómicron é menos perigosa, explicando que as pessoas infectadas tenham menos probabilidade de ter sintomas graves ou até morrer. “Os dados mostram que não há necessidade de a população se preocupar demasiado após a contratação da Ómicron, uma vez que a maioria dos adultos e crianças precisam apenas de tomar medicamentos para baixar a febre”, referiu.

      A secretária adiantou ainda que o Governo vai começar, em breve, a distribuir ‘kits’ antiepidémicos para bebés, adultos e crianças, que vão incluir medicamentos contra a Covid-19, máscaras e testes de antigénio.

      Salientando que as restrições serão retiradas gradualmente, Elsie Ao Ieong disse ainda que a população deve preparar-se para a entrada do vírus na comunidade, ressalvando que o Governo não irá deixar de tentar minimizar o número de casos.

      Aliás, a governante indicou mesmo que o Governo só tomará medidas mais rigorosas – como a suspensão das aulas, encerramento de restaurantes e cancelamento de eventos de grande envergadura – quando o número de casos diários atingir uma média de 5.000 por dia.

      “O Governo protegeu os cidadãos durante três anos, agora cada um tem de proteger a sua própria saúde”, disse Elsie Ao Ieong, sublinhando a importância da vacinação. A secretária notou que a taxa de vacinação entre os idosos é relativamente baixa, sendo que mais de 6.000 idosos com mais de 80 anos ainda não administraram a vacina contra a Covid-19, por isso, voltou a instar a população a vacinar-se “o mais rapidamente possível”.

      Na base deste futuro relaxamento das medidas em Macau está o relaxamento no interior da China. Elsie Ao Ieong frisou que a região vai continuar a seguir a política pandémica do continente, flexibilizando-a gradualmente. No interior da China, a diminuição das restrições foi anunciada dias após protestos da população em várias cidades contra a política de “zero Covid”.

       

      Alteradas regras para quem chega vindo do interior da China

      Na tarde de ontem, o Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus anunciou novas regras para indivíduos provenientes do interior da China. A partir de agora, as pessoas que pretendam entrar em Macau ou tenham já entrado na região com histórico de viagem em áreas de baixo risco do interior da China nos últimos cinco dias terão de possuir um certificado do teste de ácido nucleico com resultado negativo no prazo de 24 horas após a data de recolha de amostra, assim como um teste rápido de antigénio realizado dentro de seis horas com resultado negativo. Terão também de efectuar os testes de ácido nucleico na ordem sequencial dos 1.º, 2.º, 3.º e 5.º dias a contar do dia seguinte à data de entrada. E devem ainda efectuar diariamente um teste rápido de antigénio durante cinco dias consecutivos, no total de cinco testes. Por outro lado, as pessoas que pretendem entrar em Macau ou tenham entrado em Macau, com histórico de viagem em áreas de alto risco do interior da China no mesmo dia ou nos últimos 5 dias, mantém-se as medidas “5+3”.