Edição do dia

Quarta-feira, 17 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.5 ° C
29.8 °
26.9 °
94 %
3.1kmh
40 %
Qua
28 °
Qui
28 °
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioLusofoniaGoverno australiano nomeia aliado de Timor-Leste para desbloquear Greater Sunrise

      Governo australiano nomeia aliado de Timor-Leste para desbloquear Greater Sunrise

      O Governo australiano nomeou Steve Bracks, um ex-primeiro-ministro do Estado de Victoria considerado ‘amigo’ de Timor-Leste como seu representante especial para ajudar a desbloquear o impasse em torno ao projecto do Greater Sunrise.

       

      A decisão, que a imprensa australiana considera o “mais forte sinal até agora” de que Camberra está interessada em avançar no desenvolvimento do projecto no Mar de Timor, foi confirmada pela chefe da diplomacia australiana, Penny Wong.

      Wong disse que a nomeação de Steve Bracks demonstra o “compromisso do Governo com o desenvolvimento mutuamente benéfico e comercialmente viável dos campos de gás do Greater Sunrise”, projeto que considerou “fundamental para o desenvolvimento económico e a resiliência” de Timor-Leste. “O Governo australiano quer ver o desenvolvimento do Greater Sunrise de uma forma comercialmente viável que apoie o desenvolvimento económico de Timor-Leste e maximize os benefícios para todas as partes, consistente com o Tratado de Fronteira Marítima”, disse em comunicado citado pela Australian Financial Review. “Como representante especial, Seteve Bracks representará o governo australiano e consultará o Governo de Timor-Leste e outras partes interessadas importantes, incluindo o Consórcio do Greater Sunrise”, disse.

      Wong destacou o facto de Steve Bracks ter “profundo conhecimento de Timor-Leste e uma relação próxima com seu povo e líderes como resultado” de um empenho em proximidade ao longo de vários anos. O jornal Australian Financial Review refere que Steve Bracks tem fortes laços a Timor-Leste.

      A nomeação surge depois da visita de Penny Wong a Timor-Leste em setembro e da posterior visita de Estado do Presidente timorense José Ramos-Horta à Austrália, em que o projeto do Greater Sunrise foi o tema dominante na agenda. Localizado a 150 quilómetros de Timor-Leste e a 450 quilómetros de Darwin, o projeto tem estado envolto num impasse, com Díli a defender a construção de um gasoduto para o sul do país e a Woodside, segunda maior parceira do consórcio, a defender a sua ligação à unidade já existente em Darwin.

      Nos últimos meses têm-se intensificado os contactos entre as partes, com o tratado de 2019 que definiu as fronteiras marítimas entre os dois países a prever a assinatura de um contrato de partilha de produção, além de outros quadros técnicos. O projecto tornou-se particularmente urgente perante o risco de que Timor-Leste possa enfrentar, já em 2034, um precipício fiscal com o fim do Fundo Petrolífero que actualmente financia a quase totalidade do Orçamento Geral do Estado (OGE).

      Este fim de semana o antigo Presidente timorense Xanana Gusmão – e negociador principal do tratado permanente de fronteiras – defendeu que não serão outros Governos e muito menos empresas a impedir que Timor-Leste consiga implementar o sonho de ter um gasoduto para a costa sul do país. “Se os timorenses estão decididos que este é o caminho, não serão outros Governos e muitos menos entidades comerciais que nos irão afastar do nosso caminho, da nossa visão e do nosso sonho: o de construir um futuro sustentável para o nosso país e o nosso povo”, afirmou num seminário em Díli. “Trazer o gasoduto para Timor-Leste exige visão, muito esforço e muito trabalho e capacidade de atrair investimento. Mas cabe a Timor-Leste e não a outros sonhar os seus próprios sonhos e lutar pelas suas causas”, disse. Lusa

       

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau