Edição do dia

Quarta-feira, 7 de Dezembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu limpo
17.9 ° C
21.6 °
17.9 °
72 %
7.2kmh
0 %
Qua
19 °
Qui
22 °
Sex
22 °
Sáb
22 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Desporto Liga Nações: Portugal só precisa de 'empatar' Espanha para selar 'final four'

      Liga Nações: Portugal só precisa de ‘empatar’ Espanha para selar ‘final four’

      A selecção portuguesa de futebol precisa apenas de empatar hoje na recepção à Espanha, em Braga, para conseguir, pela segunda vez em três edições, um lugar na ‘final four’ da Liga das Nações.

       

      Portugal sabia que se pontuasse sábado na República Checa só dependeria de si próprio para selar o apuramento na sexta e última jornada, mas fez melhor, ao golear por 4-0, e ainda beneficiou de inesperado desaire da Espanha, na receção à Suíça (1-2), para voltar ao comando do Grupo A2.

      A formação comandada por Fernando Santos tem, assim, tudo a seu favor para voltar – três anos depois de conquistar a primeira edição, no Dragão – à ‘final four’ da mais jovem prova da UEFA, até porque o histórico recente com a Espanha só ostenta empates.

      Depois de um ano de 2010 em que Portugal se ‘vingou’ com um 4-0 na Luz ao desaire por 1-0 na fase final do Mundial, que os espanhóis ganharam, os derradeiros cinco embates acabaram todos empatados, o último já na presente edição da Liga das Nações.

      Em 2 de Junho, em Sevilha, na primeira ronda do agrupamento, a Espanha saiu na frente, com um tento de Álvaro Morata, mas, na segunda parte, o ‘onze’ de Fernando Santos chegou à igualdade, com um tento do regressado – oito anos depois – Ricardo Horta. Depois desse encontro, o agrupamento foi uma ‘montanha russa’, com Portugal a assumir o comando, após empate dos espanhóis em Praga (2-2), a cedê-lo à ‘roja’, depois de um desaire por 1-0 na Suíça, e a voltar a conquistá-lo, ao ser compensado pelos helvéticos, vencedores em Saragoça por 2-1.

      A formação das ‘quinas’ chega, assim, líder, em alta e moralizada, com o selecionador Fernando Santos a ter apenas um ‘problema’ de excesso de soluções, mesmo tendo em conta os muitos craques que não chamou, as baixas de Pepe, Otávio e Raphaël Guerreiro ou o ‘adeus’ de Rafa, que nunca contou muito.

      Para a baliza, e tendo em conta a rotação promovida desde a primeira jornada, será a vez de Rui Patrício, que jogou no segundo jogo, no quarto e poderá alinhar no sexto. Diogo Costa foi titular no primeiro, terceiro e quinto.

      Quanto à defesa, o quarteto de Praga esteve impecável, com Rúben Dias e Danilo Pereira imperiais ao centro, Diogo Dalot, na direita, a coroar a sua exibição com um ‘bis’, ele que nunca tinha marcado na seleção ‘AA’, e Mário Rui, de regresso ao ‘onze’ quase dois anos depois, a somar uma assistência.

      No meio, não deverá haver mudanças, mas, nas laterais, pode haver, já que de fora ficaram João Cancelo, por castigo, e Nuno Mendes, por opção, que são, habitualmente, as primeiras escolhas do selecionador luso. Quanto ao meio-campo, Rúben Neves, William Carvalho e Bruno Fernandes cumpriram em Praga, mas, de fora, estão, por exemplo, Vitinha, que tem sido titular neste início de época no Paris Saint-Germain, ou João Palhinha. Bruno nunca será o sacrificado. No que respeita ao ataque, Bernardo Silva não é questionável, enquanto Rafael Leão não foi particularmente feliz em Praga, mas sem nota negativa, ao contrário de Cristiano Ronaldo, que acrescentou novo capítulo ‘horribilis’ ao seu início de época.

      Tirando um desvio de cabeça num canto, na origem do 4-0, Ronaldo esteve um ‘desastre’ na capital checa, ao somar falhanços de golos ‘certos’ e, se não bastasse, ao oferecer um penálti que poderia ter permitido aos checos, a perder por 2-0, regressar ao jogo. Sorte lusa que Patrik Schick atirou por cima da barra. Ainda assim, ninguém acredita que Fernando Santos possa retirar o capitão do ‘onze’, sendo que, à espreita, estão Diogo Jota, autor do quarto golo em Praga, Ricardo Horta, que joga em casa, e João Félix, se recuperar.

      Quanto à Espanha, chega envolta em dúvidas, depois de um desaire que não esperava, na receção à Suíça, num embate em que Luis Enrique apostou em vários jogadores que não têm sido titulares nos seus clubes, como Asensio e Jordi Alba, que até construíram o golo, Ferran Torres ou Sarabia.

       

      O encontro entre Portugal e a Espanha, da sexta e última jornada do Grupo A2 da Liga das Nações de 2022/23, realiza-se hoje, pelas 19h45 (02h45 em Macau), no Estádio Municipal de Braga, com arbitragem do italiano Daniele Orsato.

       

       

      CAIXA

       

      Países Baixos e Croácia na fase final

       

      Os Países Baixos garantiram um lugar na fase final da Liga das Nações de futebol e deverão ser os anfitriões da prova, em que também a Croácia assegurou a presença, na sexta e última jornada. A selecção neerlandesa venceu na receção à Bélgica, por 1-0, e confirmou o primeiro lugar do Grupo A4, que previamente ficou estabelecido como o futuro organizador desta edição da ‘final four’, embora o Comité Executivo da UEFA ainda tenha de dar ‘luz verde’ a essa decisão. No topo do Grupo A1 ficou a Croácia, que com um triunfo na Áustria (3-1) garantiu o apuramento e também salvou a França, atual campeão, de uma descida surpreendente à Liga B. Estas duas nações ficam agora à espera da resolução do Grupo A2, com Portugal e Espanha a lutarem pela qualificação na última ronda, e do Grupo A3, em que Hungria e Itália ainda têm possibilidade de seguir em frente.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau