Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Setembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
27.9 ° C
29.4 °
27.9 °
89 %
6.2kmh
40 %
Qui
28 °
Sex
28 °
Sáb
29 °
Dom
29 °
Seg
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Hong Kong perdeu mais de 113 mil habitantes no último ano

      Hong Kong perdeu mais de 113 mil habitantes no último ano

      Hong Kong perdeu 113.200 habitantes nos últimos 12 meses, um recorde anual desde o primeiro censo, em 1961, segundo dados oficiais relativos ao segundo trimestre deste ano. De acordo com as últimas estimativas, Hong Kong tem 7.291.600 habitantes, menos 1,6% do que no mesmo período do ano passado, de acordo com os números divulgados na quinta-feira. A perda de habitantes deveu-se em parte às restrições fronteiriças impostas para combater a pandemia de covid-19, que “interromperam o afluxo de pessoas”, reconheceu um porta-voz do Governo.

      A população do território começou a diminuir em 2020 e o declínio não mostra sinais de parar, de acordo com os números oficiais.  Outrora um centro de transportes e logística asiático, Hong Kong ficou isolada do mundo durante mais de dois anos devido às políticas anti-pandémicas, de acordo com a estratégia de zero casos da China. O declínio da população também faz parte de uma tendência mais ampla de saída de Hong Kong, com muitos a optarem por ir para o estrangeiro em resposta à repressão de Pequim contra a dissidência, após os protestos pró-democracia de 2019.

      O Governo tem sistematicamente minimizado estas partidas, dizendo que muitos acabarão por regressar ou poderão ser substituídos por residentes do continente. As autoridades culpam ainda a baixa taxa de natalidade da cidade, que combina uma população envelhecida com uma das mais baixas taxas de fertilidade da Ásia. No ano passado, Hong Kong registou mais 26.500 mortes do que nascimentos.

      A imigração da China continental era um dos principais motores demográficos em Hong Kong, mas os números recentes têm-se mantido baixos devido ao encerramento das fronteiras. Na vizinha Macau continua a assistir-se à saída de trabalhadores não-residentes, numa cidade que também segue a política de zero casos de Pequim e cuja economia tem sido significativamente afetada pela pandemia de covid-19.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau