Edição do dia

Sexta-feira, 12 de Agosto, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
26.9 ° C
27.1 °
25.9 °
89 %
2.6kmh
20 %
Sex
28 °
Sáb
30 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura Guitarrista português radicado em Xangai Luís Coelho lança novo EP de originais

      Guitarrista português radicado em Xangai Luís Coelho lança novo EP de originais

      Radicado há 13 anos na cidade chinesa de Xangai, onde chegou para estagiar numa multinacional europeia, o guitarrista português Luís Coelho lançou ontem o seu segundo disco de originais, em formato estendido (EP).

      “É um EP mais introspectivo, mais melancólico. Baseado nas minhas raízes portuguesas”, diz o guitarrista português Luís Coelho à agência Lusa, numa entrevista por telefone.

      Composto por seis temas originais, o EP foi lançado nas plataformas digitais Itunes e Spotify, e conta com a participação do guitarrista português Ricardo Martins. Num dos temas, chamado Fado Navegador, Luís Coelho une o género musical português a elementos tradicionais do Brasil e China, através da inclusão da guitarra acústica com cordas de nylon, usada na Bossa Nova, e o ‘erhu’, instrumento musical originário da China, de duas cordas e tocado com um arco.

      “A minha ideia foi fazer a ponte entre estes três países: Brasil e Portugal, que têm uma ligação mais forte, mas também Portugal e China”, resume.

      No seu primeiro disco de originais, Inner Life Burst, publicado em 2018, Luís Coelho misturou rock progressivo instrumental e influências mediterrâneas. Neste novo EP, o músico optou por um som mais “cru, sem muitos arranjos e produção”. “É como se estivéssemos numa sala a ouvir a banda a tocar. É uma coisa mais despida”, descreve. “Não há nada a esconder: aquilo que se ouve é o que é”.

      O português, de 40 anos, formou-se em Economia pela Universidade de Coimbra, mas quando questionado sobre o seu futuro profissional, responde assim: “A minha carreira é a música; já não há volta a dar”.

      Uma “Fender” e uma “Schecter” de sete cordas, ou as guitarras acústicas Yamaha, Martin e Cort, são desde há 10 anos os seus instrumentos diários de trabalho. Além de ter uma banda – Don Coelho Band – e tocar como ‘freelancer’ com outros músicos, Luís Coelho dá aulas de guitarra em Xangai.

      Situada na foz do Yangtsé, Xangai é a maior e mais cosmopolita cidade chinesa, com cerca de 23 milhões de habitantes.

      O encerramento das fronteiras da China, que vigora desde março de 2020, no âmbito da estratégia de ‘zero casos’ de covid-19, excluiu o país asiático do mapa de digressões dos artistas internacionais, permitindo a Coelho tocar em alguns dos palcos mais renomados de Xangai, incluindo os clubes de jazz Blue Note e Lincoln Center. “Tento sempre tocar alguns fados, alguma música portuguesa nos concertos, mostrar um pouco a nossa cultura”, diz.

      Nascido e criado em Coimbra, Luís Coelho toca guitarra desde criança. Entre as suas referências, cita Gary Moore, Joe Satriani, Al Di Meola e as bandas Dream Theatre e Metallica. Quanto a músicos portugueses que admira, refere o guitarrista Pedro Jóia e Júlio Pereira, conhecido por utilizar instrumentos tradicionais portugueses, como o cavaquinho e a viola braguesa.

      Coelho chegou a Xangai no início de 2009 para fazer um estágio numa grande empresa europeia, a Auchan, no âmbito do programa “Inov Contacto”, patrocinado pelo AICEP (Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal). Concluído o estágio, regressou a Portugal, mas dois meses depois voltou, para “tentar arranjar trabalho”.

      Em 2011, concorreu à 3.ª edição do “Guitar Idol”, considerado “o maior concurso de guitarristas a nível mundial para descobrir novos talentos”, contra 1.700 candidatos de dezenas de países. Lusa

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau