Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
26.3 ° C
27.6 °
25.9 °
94 %
2.1kmh
40 %
Qua
26 °
Qui
27 °
Sex
27 °
Sáb
27 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeDiário do Povo denuncia “abordagem não satisfatória” de Macau durante o surto

      Diário do Povo denuncia “abordagem não satisfatória” de Macau durante o surto

      Relativamente ao recente surto comunitário de Covid-19, “a abordagem de Macau não foi satisfatória”, afirmou o Diário do Povo, jornal oficial do Partido Comunista da China. Num texto publicado na passada terça-feira no jornal chinês foi destacada a situação epidémica em Macau com “mais de mil pessoas infectadas, um certo grau de contágio no Centro Hospitalar Conde de São Januário, surto no centro comercial Four Seasons, no lar de idosos, bem como casos de óbito”.

      O artigo intitulado “não há melhores alunos e sortudos diante do vírus” apontou que, para lidar com a pandemia, deve-se “ajustar dinamicamente estratégias e métodos em tempo hábil, esforçar-se para alcançar uma tomada de decisão precisa, acção rápida e eficiência”.

      Tomando o exemplo da detecção de casos infectados no Four Seasons, o jornal indicou que as autoridades devem desinfectar e fechar o local de imediato, proceder à análise e cortar a cadeia de contágio. “Parou apenas após terem encontrado a relação inicial entre os infectados, mesmo quando os jornalistas perguntaram por que razão as lojas não estavam seladas, os profissionais acharam desnecessário, o que resultou em mais pessoas infectadas no local”, refere a publicação.

      Salientando o facto da continuidade de transmissão na comunidade, o artigo realçou que este surto não foi “inesperado”, uma vez que Macau já estipulou planos e simulacros com antecedência. Segundo o jornal, um inquérito online sobre as medidas antipandémicas revelou que 72% dos entrevistados concordaram com a medida de confinamento em toda a cidade. “Ou seja, o sentimento comum é que as actuais medidas de prevenção não são suficientemente rígidas, oportunas e compactas. Claro que Macau tem as suas particularidades, é compreensível que há regulamentos legais, falta de mão-de-obra, constrangimento de recursos e inércia do pensamento”, lê-se no artigo.