Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
26.3 ° C
27.6 °
25.9 °
94 %
2.1kmh
40 %
Qua
26 °
Qui
27 °
Sex
27 °
Sáb
27 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioCategorias do ParágrafoGrande BaíaDigifluidic: O primeiro fruto da cooperação entre a UM, o mundo empresarial...

      Digifluidic: O primeiro fruto da cooperação entre a UM, o mundo empresarial e Hengqin

      A Digifluidic é a primeira empresa fundada por profissionais formados na Universidade de Macau (UM). A empresa de biotecnologia estabeleceu-se em Hengqin em 2018 e, segundo indicaram os fundadores ao PONTO FINAL, querexpandir-se e começar a desenvolver uma plataforma para testes médicos autónomos.

      A Digifluidic é a primeira empresa que resulta da relação entre a Universidade de Macau (UM), o mundo empresarial e Hengqin. Fundada em Setembro de 2018, na Ilha da Montanha, por dois doutorados pela UM, a empresa de biotecnologia usa tecnologia patenteada pela instituição para desenvolver uma plataforma de testes genéticos rápidos.

      Ao PONTO FINAL, os fundadores, Oscar Chen e Cheney Dong, explicaram que “a empresa foi fundada tendo como pano de fundo a política nacional de encorajamento dos jovens a iniciarem as suas próprias empresas e o incentivo da RAEM à diversificação da sua economia”.

      Oscar Chen e Cheney Dong fizeram parte do Laboratório de Referência do Estado em Circuitos Integrados em Muito Larga Escala Analógicos e Mistos da UM entre 2018 e 2018 e quiseram pôr em prática as técnicas laboratoriais adquiridas. “A tecnologia principal da empresa deriva dos resultados da investigação dos principais laboratórios da UM e a tecnologia patenteada pela instituição são requisitos fundamentais para que a empresa funcione”, comentam.

      Na Ilha da Montanha, a empresa quer tirar partido dos “abundantes talentos técnicos da China” e “reduzir os custos operacionais da empresa”. A Digifluidic está a usar um espaço cedido pelo Zhuhai UM Science andTechnology Research Institute, que proporciona também alojamento de baixo custo para os funcionários da empresa. A Digifluidic emprega, neste momento, 40 pessoas. E no futuro, quer aumentar o número de trabalhadores para 60.

      A empresa de biotecnologia desenvolveu a sua própria plataforma para testes genéticos rápidos, precisos, multialvos e de baixo custo” com base na tecnologia de microfluidos. Com esta tecnologia, foram produzidos testes médicos, produtos de segurança alimentar e produtos de quarentena. A empresa tem também uma fábrica de 2.500 metros quadrados no Hengqin Venture Valley.

      A tecnologia foi posta ao serviço da prevenção da luta contra a pandemia de Covid-19. Em 2020, a Digifluidic começou a desenvolver um novo sistema de rastreios rápidos da Covid-19, que recebeu o apoio financeiro do fundo para a ciência e tecnologia da província de Guangdong. Este “VirusHunter 1.0” foi testado em mais de 20 casos clínicos no hospital universitário de Cantão. Os resultados dos testes mostraram que, com esta tecnologia, é possível obter o resultado em 30 minutos e tem uma precisão de mais de 85%, diz a empresa.

      Agora, a Digifluidic está a desenvolver “em ritmo acelerado” a segunda geração desta tecnologia, que poderá ser utilizado directamente em hospitais, clínicas, postos fronteiriços, aeroportos e portos onde são necessários testes rápidos e onde um laboratório profissional de testes PCR pode não estar disponível. Espera-se que o equipamento seja desenvolvido e entre em fase de produção em Outubro de 2022.

      Actualmente, os clientes da Digifluidic são essencialmente institutos de investigação e universidades, empresas que realizam testes para terceiros, organismos de fiscalização de mercado ou departamentos governamentais eempresas de reagentes médicos. No futuro, a empresa quer estar disponível para o público em geral. Além disso, a empresa quer continuar a optimizar a plataforma que desenvolveu. Quer também desenvolver uma plataforma nova para a realização de testes médicos autónomos, ou seja, que se realizam sem serem necessários técnicos.

      * com Catarina Chan