Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nevoeiro
24 ° C
24.9 °
23.9 °
100 %
2.6kmh
40 %
Qua
26 °
Qui
26 °
Sex
27 °
Sáb
28 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeFundação Macau concedeu 1,26 milhões para apoiar divulgação da história e...

      Fundação Macau concedeu 1,26 milhões para apoiar divulgação da história e cultura chinesa nas escolas

      A Fundação Macau lançou novamente este ano o Plano de Apoio Financeiro para as Actividades Escolares da Série “História e Cultura”, de modo a “reforçar os conhecimentos dos alunos sobre a história e a cultura chinesa” e “cultivar o amor pela pátria”. Segundo consta em Boletim Oficial, a atribuição de verbas para o projecto no ano passado foi superior a 1,26 milhões de patacas. Os eventos realizados por 19 escolas subsidiadas compreenderam competições de poemas, apreciação de música e desfiles de alunos em roupa tradicional chinesa, entre outros.

       

      Com o objectivo de reforçar a educação da história e da cultura chinesa dos alunos de Macau, bem como a sua identidade nacional, a Fundação Macau tem lançado, desde 2018, o Plano de Apoio Financeiro para as Actividades Escolares da Série “História e Cultura”, tendo, no ano passado, subsidiado 19 escolas de ensino não superior, cujo montante ultrapassou 1,26 milhões de patacas.

      As informações apresentadas pela Fundação Macau indicam que o intuito do projecto é para “concretizar bem o trabalho na transmissão da história e cultura chinesa, reforçar a educação histórica e cultural dos jovens locais e aumentar a sua confiança histórica e cultural, orgulho e identidade nacional”, através das actividades realizadas com apoio financeiro, permitindo aos alunos terem uma compreensão mais profunda sobre a conotação e o valor da cultura chinesa, cultivando o seu amor pela pátria”.

      De acordo com as listas de apoios concedidos publicados em Boletim Oficial, o plano já beneficiou um total de 19 escolas em 2021, e o valor de cada financiamento variou entre 3.500 patacas e 156.200 patacas. Entre estas, existem três estabelecimentos de ensino não superior que receberam subsídios do plano por duas vezes no ano passado, incluindo a Escola São Paulo, a Escola Kwong Tai e a Escola Hou Kong.

      A Escola Hou Kong foi também a entidade que recebeu um valor mais elevado no ano transacto, com um valor total de 250 mil patacas para oitos itens de actividades. No entanto, nas listas de concessão de subsídio, não foram detalhadas mais informações sobre os eventos realizados.

      Segundo o All About Macau, no que diz respeito ao Plano de actividades escolares da “História e Cultura”, a Escola Hou Kong organizou competições de poemas e prosas chinesas, enquanto a Escola de Talentos Anexa à Escola Hou Kong realizou um evento sobre a cultura de vestuário chinês, incluindo um desfile dos alunos em Hanfu, uma roupa tradicional da etnia Han da China.

      Outras escolas que foram concedidas com mais subsídios foram a Escola Secundária Lou Hau (156 mil patacas), o Colégio do Sagrado Coração de Jesus – Secção Inglesa (133 mil patacas) e a Escola Keang Peng (117 mil patacas). As actividades foram principalmente dias da cultura chinesa e apreciação de música tradicional.

      Este ano, a Fundação Macau voltou a anunciar o lançamento do projecto, com prazo de aceitação de pedidos até à próxima terça-feira. De acordo com o comunicado divulgado na segunda-feira pela Fundação Macau, o Plano de Apoio Financeiro para as Actividades Escolares da Série “História e Cultura” destina-se às “escolas locais de ensino básico, através de subsídio, encorajando-as a organizarem uma vasta gama de actividades de história e cultura, de forma a reforçar os conhecimentos dos alunos sobre a história chinesa, a cultura tradicional da raiz chinesa, bem como a cultura local de Macau, aumentando o interesse dos estudantes em aprender essas matérias”.

      De acordo com a entidade presidida por Wu Zhiliang, existem quatro temas prioritários para consideração para atribuição de verbas para o ano lectivo de 2022/2023: “Abertura e tolerância da cultura chinesa”, “Património cultural intangível de Macau”, “Participação na Zona de Cooperação Aprofundada entre Guangdong e Macau em Hengqin e na Grande Baía” e “Abertura económica da China e o desenvolvimento de Macau”.

      O respectivo regulamento estipula que, este ano, cada escola pode apresentar a candidatura para um máximo de quatro projectos de actividades, com um limite de subsídio de 500 mil patacas.

       

      PONTO FINAL