Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
aguaceiros fracos
25 ° C
25.9 °
24.9 °
94 %
4.6kmh
40 %
Qui
25 °
Sex
26 °
Sáb
27 °
Dom
28 °
Seg
29 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioEconomiaPMEs estão “muito pessimistas” para futuro ambiente de negócios em Macau

      PMEs estão “muito pessimistas” para futuro ambiente de negócios em Macau

      Um relatório divulgado ontem pela Associação Comercial Federal Geral das Pequenas e Médias Empresas de Macau, baseado num inquérito feito durante Fevereiro e Março de 2022, mostrou que as PMEs em Macau têm uma perspectiva “muito negativa” para o futuro ambiente de negócios. Uma em cada dez PMEs inqueridas queriam fechar o negócio, enquanto que mais de 70% das PMEs acreditam que ainda é necessário mais de um ano para retomar o nível pré-pandemia, mesmo que a pandemia acabasse já. Um terço das PMEs tem opinião favorável a Hengqin, mas muito poucas deram o primeiro passo.

       

      A Associação Comercial Federal Geral das Pequenas e Médias Empresas de Macau divulgou ontem um relatório sobre a confiança das Pequenas e Médias Empresas (PMEs) para o ambiente de negócios onde se inserem, baseado num inquérito feito durante 25 de Fevereiro e 11 de Março de 2022. Os resultados mostram que as PMEs em Macau têm uma perspectiva “muito pessimista” para o ambiente de negócios no futuro.

      O índice de PME que o estudo calculou inclui seis indicadores referentes aos factores de ambiente de negócio, com um intervalo de valor disponível de 0 a 100 e linha divisória de pontos 50. De acordo com o resultado dos questionários recolhidos, o relatório mostrou que o índice de PME em Macau é de 30.

      Este inquérito recolheu questionários de 503 PMEs em Macau, abrangendo oito principais categorias e mais de 60 indústrias. Entre as oito categorias, PMEs ligadas à área de Conferências e Exposições (MICE) (25,3) e à Indústria Cultural e Criativa (CCI) (25,6) têm a perspectiva mais negativa no ambiente de negócios em Macau.

      Entre os seis índices de factor de ambiente de negócio, o “volume total de negócio” (17,8) e “novo negócio” (23,7) foram os mais baixos, indicando que muitos operadores das PMEs acreditam que o volume total de negócio e o novo negócio em 2022 seriam ambos mais baixos do que no ano anterior. Em termos de “preço de venda”, “intenção de investimento” e “trabalhadores”, o resultado do estudo também mostrou que as PMEs em Macau consideram que estes três factores recuariam em comparação a 2021.

      Cerca de 87,9% das PMEs relataram que o seu volume de negócio diminuiu devido ao impacto da pandemia de Covid-19. A taxa de declínio foi quase de metade (49,4%).

      As PMEs de Macau mostraram uma perspectiva negativa, principalmente devido ao “alto custo de aluguer” (61,7%) e ao “numero de visitantes muito inferior ao passado” (56,5%).

      Conforme o relatório, cerca de 9,3% de PMEs afirmaram que iriam encerrar. Esta proporção foi mais do que 20% nas indústrias de turismo e entretenimento (20,4%). Além disso, a maioria das PMEs optou por despedir trabalhadores (31,5%) ou colocá-los em licença sem vencimento (31,1%) para responder ao impacto causado pela pandemia. As categorias industriais, Turismo e Entretenimento, MICE e CCI, Restauração são as áreas mais afectadas pela onda de despedimentos. Presumindo que a pandemia chegasse agora ao fim, mais de 70% das PMEs estimam que levaria mais do que um ano para retornar ao nível pré-pandemia.

      No que diz respeito à Zona de Cooperação Aprofundada entre Guangdong e Macau em Hengqin, aproximadamente 32,1% das PMEs acreditam que a iniciativa pode trazer um impacto positivo. Apesar de mais de metade (53,4%) das PMEs terem mostrado vontade de marcar presença na ilha de Hengqin, as que têm um “plano pronto para implementação” ou estão “em planificação” são, respectivamente, de 5,8% e 7,7%.

      Em geral, 44% de PMEs acreditam que o potencial encerramento de casinos-satélite pode trazer consequências negativas. Segundo a análise do estudo, as razões específicas podem variar por indústrias diferentes. Para a restauração, o sector mostrou-se preocupado com a forma como o encerramento de casinos-satélite pode afectar a economia de Macau e a empregabilidade de residentes locais. Os sectores grossista e retalhista consideram que o fecho de casinos-satélite pode conduzir à perda de clientes e à queda do número de turistas, o que pode resultar num declínio nos seus negócios. Quanto às empresas no domínio do sector MICE e CCI, mostraram-se preocupadas com a diminuição de pedidos de casinos-satélite.

      Segundo o relatório divulgado, analisado por região, as PMEs (12,3%) sedeadas na freguesia da Sé (ZAPE, Praia Grande, Baixa de Macau) afirmaram que, uma vez que se localizam em redor dos casinos-satélite, podem sofrer prejuízos e perder um apoio importante aos negócios aquando do encerramento de casinos-satélite e da redução de fluxo de pessoas na área. Quanto às PMEs que ficam na freguesia da Nossa Senhora de Fátima (Ilha Verde, Tamagnini Barbosa, Areia Preta, Fai Chi Kei), 23,4% mostraram-se preocupadas mais com o impacto na economia global de Macau.

      O estudo recomendou que o Governo de Macau deve considerar adoptar medidas para prestar apoio financeiro de curta duração às PMEs, com o intuito de aliviar a pressão de encerramento de casinos-satélite e despedimento de trabalhadores, bem como o potencial desemprego enfrentado pelos residentes. O estudo também sugeriu que o Governo deva lidar cuidadosamente com as questões derivadas do fecho de casinos-satélite, reduzindo o seu impacto em vários sectores relacionados. Além disso, o resultado da pesquisa defende que as autoridades devem disponibilizar mais publicidade e consulta para permitir às PMEs um melhor conhecimento sobre a Zona de Cooperação Aprofundada entre Guangdong e Macau em Hengqin, facilitando assim a possibilidade das empresas locais poderem implementar os seus planos de negócio nesse local.

       

      PONTO FINAL