Edição do dia

Quarta-feira, 7 de Dezembro, 2022
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu limpo
17.9 ° C
21.6 °
17.9 °
72 %
7.2kmh
0 %
Qua
19 °
Qui
22 °
Sex
22 °
Sáb
22 °
Dom
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Lusofonia Começa contagem dos votos da segunda volta das presidenciais em Timor-Leste

      Começa contagem dos votos da segunda volta das presidenciais em Timor-Leste

      Milhares de funcionários eleitorais timorenses iniciaram o processo da contagem de votos da segunda volta das presidenciais em Timor-Leste, estimando-se um processo mais rápido porque a abstenção terá sido maior.

       

      Um pouco por todo o país e depois do processo inicial de encerramento das urnas, os funcionários iniciaram a contagem em si, abrindo as urnas e mostrando, um por um, os boletins de voto, dizendo em voz alta em português, tétum ou inglês, a quem se destina o voto.

      “Um. Dois. Um. Dois. Dois. Um”, repetia, em português, o funcionário no centro de votação instalado na sede de suco em Santa Cruz, enquanto o seu colega repetia o mesmo, mas em indonésio, na Escola 1 do Farol, no centro da capital.

      Os primeiros dados de contagem parecem sugerir uma queda na participação, particularmente em Díli, com muitos dos eleitores a aproveitarem o período da Páscoa, os feriados e tolerâncias de ponto para sair da capital.

      Em alguns locais, a queda na participação chegou a ser de mais de 20%, com reduções na participação nos primeiros locais a terminar a contagem, nomeadamente na Coreia do Sul, onde só votaram 57 eleitores, contra os 275 que votaram na primeira volta, com José Ramos-Horta a obter 33 votos e Francisco Guterres Lú-Olo 24.

      Já na Austrália, e segundo os dados preliminares, José Ramos-Horta também venceu com 184 votos contra os 130 de Francisco Guterres Lú-Olo, mas a participação até subiu, com mais 55 eleitores a participar. Ao longo do dia, a jornada correu com normalidade, com os dois candidatos a votar pouco depois de as urnas abrirem e ambos a mostrarem confiança.

      José Ramos-Horta foi o primeiro a votar na sua mesa de voto, na zona de Metiaut, em Díli, expressando confiança na vitória na segunda volta das eleições e comprometendo-se com o diálogo alargado se vencer.

      “Estou confiante, mas sereno para receber qualquer resultado que seja, com tranquilidade de espírito”, afirmou, depois de votar. “Seja qual for o resultado, mesmo que não seja a meu favor, vergo-me perante a decisão soberana dos eleitores. Se ganhar, sei que é uma grande responsabilidade honrar o respeito e a confiança do povo”, considerou.

      Ramos-Horta classificou o momento como uma “nova madrugada” para Timor-Leste, reafirmando à Lusa que tentará, se vencer, “reintroduzir neste país um debate mais são, mais cívico sobre as grandes questões nacionais”. Isso passa, explicou, por “intensificar todo o esforço para tranquilizar as comunidades, consolidar a paz, restaurar a ordem democrática, para Timor ser realmente um modelo de democracia e de Estado de direito”.

      Cerca de uma hora depois votou o Presidente da República, Francisco Guterres Lú-Olo, que pela segunda vez defronta José Ramos-Horta na segunda volta das presidenciais – perdeu no combate de 2007.

      Francisco Guterres Lú-Olo, mostrou-se confiante na renovação do mandato, considerando prioridade, se vencer, consolidar a estabilidade e desenvolvimento nacionais. “A democracia é assim, perder ou ganhar tanto faz. O povo é juiz e hoje mesmo o povo vai julgar. E vai julgar o meu mandato através do voto. E eu estou confiante”, disse à Lusa, depois de votar em Díli.

      O chefe de Estado cessante reafirmou que o seu compromisso “é de continuar a trabalhar pelo bem do país e da população”. “A minha prioridade é garantir a estabilidade nacional. Vou cumprir o meu compromisso de trabalhar e cooperar com os órgãos do Estado para criar estabilidade, paz e contribuir para o desenvolvimento nacional”, explicou.

      José Ramos-Horta, que venceu a primeira volta com 46,51% dos votos, parte como favorito na votação para determinar quem lidera o país até 2027, à frente de Francisco Guterres Lú-Olo, que obteve em 19 de Março 22,14% dos votos.

      Os dados preliminares indicam que não se registaram incidentes ou problemas com a votação em qualquer local. Os resultados deverão ser progressivamente conhecidos até quarta-feira.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau