Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.5 ° C
23.9 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
40 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Sociedade Autoridades apresentam plano de emergência de resposta a possível surto de...

      Autoridades apresentam plano de emergência de resposta a possível surto de Covid-19

      Apresentado pelo director dos Serviços de Saúde, o plano contempla um centro de tratamento situado no Dome com 1.400 camas. Alvis Lo revelou ainda a criação de uma linha verde 24h com o número 222 e a implementação de laboratórios móveis no território. A médica Leong Iek Hou divulgou a entrada em circulação de autotestes rápidos de antigénio.

       

      Para contrariar o marasmo da maioria das conferências de imprensa do Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus, as autoridades apresentaram ontem diversas novidades que passam pela criação de plano de emergência de resposta a um surto de Covid-19, que está às portas de Macau, bem como ao início do uso de autotestes rápidos de antigénio.

      Ao director dos Serviços de Saúde coube a apresentação do plano de emergência. Para além da criação de um centro de tratamento comunitário – um espaço de 10 mil metros quadrados com 1.400 camas no Dome, no Cotai, com triagem ‘one stop’, testagem de ácido nucleico, bem como atendimento e tratamento de doentes –, que, juntamente com as camas do Centro Hospitalar de São Januário e do Centro Clínico de Saúde Pública do Alto de Coloane, bem como dos hotéis de observação médica, serão 2.700 lugares disponibilizados a pessoas infectadas com o SARS-CoV-2.

      Actualmente, com o que efectivamente existe em Macau, os Serviços de Saúde conseguem disponibilizar um total de 266 camas. “Os casos mais graves de doença serão sempre encaminhados para o São Januário ou para o Alto de Coloane”, explicou Alvis Lo, que ainda avançou a possibilidade da criação de um hospital de campanha ao ar livre com capacidade para 1.000 camas “ou o que venha ser preciso, consoante as necessidades reais”.

      O novo centro de tratamento comunitário “vai dispor de instalações de alto padrão” superiores ao recomendado pela Organização Mundial de Saúde. “Para além das infra-estruturas existentes, pretende-se criar, em número suficiente e provisoriamente, mais chuveiros, sanitas e vestiários”, revelou Alvis Lo.

      O director dos Serviços de Saúde notou que a nova infra-estrutura, subdividida pelo pavilhão A e pelo centro de formação e estágio de atletas, “dispõe de áreas para descanso, bem como acesso a alimentos e água potável”. “Foram elaboradas observações para internamento, incluindo quais os bens recomendados para serem trazidos pelos residentes, uma vez que não pode trazer tudo”, explicou o médico.

       

      Grupos de trabalho sob a égide de Ho Iat Seng

      Ao mesmo tempo, o responsável, reiterando que este plano é para ser aplicado “no pior dos cenários”, revelou que todo o plano contempla a criação de 15 grupos de trabalho, cada um com a sua especificidade. A implementação interdepartamental de medidas de prevenção pandémica será criada, sendo que a mesma deverá ser coordenada, em primeira instância, pelo Chefe do Executivo que depois trabalha directamente com o Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus e com o Centro de Operações de Protecção Civil, no sentido de criarem os tais grupos de trabalho sob cinco pressupostos: “implementação de medidas de gestão e controlo da comunidade; realização de investigação epidemiológica, rastreio e testes de grande dimensão; preparação de elevada quantidade de instalações de isolamento e tratamento; prestação de apoio ao transporte e vida e divulgação significativa de informações para comunicação com os residentes”, avançou Alvis Lo.

      As autoridades sanitárias pretendem ainda reforçar as capacidades de investigação epidemiológica que passam pelo “aperfeiçoamento do sistema” bem como a “optimização do programa de testes de ácido nucleico massivo”, aumentando a capacidade de testes de ácido nucleico que passa pela introdução de laboratórios móveis e, ainda, de um laboratório insuflável. A chefe da Divisão de Prevenção e Controlo de Doenças Transmissíveis referiu ainda, na sua intervenção, que as autoridades também vão apostar na “aquisição de uma elevada quantidade de autotestes rápidos de antigénio”. Leong Iek Hou, que no passado referiu que esse não seria o caminho por considerar que os autotestes “não era totalmente fiáveis”, admitiu agora que, apesar da baixa sensibilidade, “o autoteste tem muitas vantagens”. “As pessoas podem fazê-lo em casa ou no trabalho e isso reduz a disseminação comunitária, para além de que cada teste revela o resultado de 10 a 15 minutos, identificando pessoas infectadas com uma carga viral elevada”, disse a médica aos jornalistas, relembrando que “esta medida não pode substituir o teste de ácido nucleico”.

      A introdução de um laboratório móvel, anunciada ontem, “pode aumentar a capacidade de teste de ácido nucleico”, assumiram as autoridades. Actualmente, a capacidade máxima de testes de ácido nucleico é de “340 mil vezes por dia”. Com o laboratório móvel, “cerca de 10 a 30 mil tubos de amostras podem ser processados em 24h”, referiu Alvis Lo, acrescentando que a capacidade máxima de testes por dia “varia de 100 a 300 mil”. Já com o laboratório insuflável, “cerca de 30 a 80 mil tubos de amostras podem ser analisados por dia”, o que permite a testagem de “300 a 800 mil pessoas em 24h”.

      As autoridades vão criar ainda um sistema de mobilidade para prestar apoio à vida que passará pela criação de um sistema de registo de venda de medicamentos de emergência, bem como a comunicação “atempada” com fornecedores de alimentos frescos e bens essenciais à vida. “Cabe à equipa de suporte de vida e suporte social efectuar a coordenação para assegurar as necessidades básicas e diárias dos residentes”, explicou o director dos Serviços de Saúde, que ainda referiu que, ao nível da mobilidade, “será disponibilizado transporte especial entre casa e local de trabalho”, bem como a criação de mecanismos de transporte de “pessoas de código amarelo ou pessoas com resultado no autoteste de antigénio”, por exemplo.

       

      Recursos humanos precisam-se

      Alvis Lo admitiu aos jornalistas que este plano “carece de uma grande necessidade de recursos humanos”. Para o centro de tratamento no Dome deverão ser canalizados “16 médicos, 140 enfermeiros e 160 auxiliares de saúde que, no total, perfazem 216 profissionais de saúde”, revelou o director dos Serviços de Saúde, acrescentando que, conforme a necessidade de serviço, esse número poderá chegar aos 406 trabalhadores “se estiver totalmente completo”.

      Outra coisa que Alivis Lo explicou foi o tratamento a dar aos mortos decorrentes de um surto de Covid-19 no território. “O Instituto para os Assuntos Municipais, juntamente com os Serviços de Saúde e outros serviços relevantes, irão formar uma força-tarefa para tratar dos cadáveres, com o armazenamento em hospitais e funerárias a serem utilizados para guardar os restos mortais, não descartando o aluguer de congeladores para armazenar temporariamente os restos mortais”, afirmou Lo, lembrando que “os restos mortais de pessoas que morreram com doenças infecciosas graves não podem ser enviados para áreas fora de Macau para cremação”.

      Entretanto, as autoridades sanitárias locais decretaram que aos indivíduos que entrem em Macau por via terrestre “passa a ser exigida a apresentação de teste de ácido nucleico com resultado negativo realizado até 24 horas antes da entrada no território”. Ao mesmo tempo, os não residentes de Macau que não possuam os certificados acima mencionados podem ver a sua entrada no território recusada. Em contraponto, aqueles que saiam de Macau com o destino a Zhuhai, mantém-se a obrigatoriedade de apresentação de certificado de teste de ácido nucleico negativo realizado no prazo de sete dias.

      Dados relativos ao dia de ontem mostram que foram administradas até ao momento 1.190.277 doses de vacinas contra a Covid-19. 561.723 pessoas foram inoculadas, sendo que a primeira dose já foi administrada a 61.563 indivíduos e 346.476 pessoas estão totalmente imunizadas, com duas doses. 153.684 pessoas já foram vacinadas com a terceira dose. A percentagem da população vacinada com, pelo menos, uma dose da vacina, é de 82,22%. Nas últimas 24h, ocorreram 16 notificações de eventos adversos (16 eventos adversos ligeiros e nenhum grave, tendo sido 10 casos relacionados com a vacina inactivada da chinesa Sinopharm e seis casos da vacina mRNA da germânica BioNTech). Desde o início do programa de vacinação em Macau que ocorreram 4.590 notificações de eventos adversos, tendo sido a sua maioria (4.577) considerados adversos ligeiros e apenas 13 graves.

       

      Enfermeira do Kiang Wu em observação médica após contacto próximo com caso de Zhuhai

      Uma mulher do interior da China com 26 anos de idade que trabalha como assistente de enfermagem no Hospital Kiang Wu foi listada como contacto próximo de um caso confirmado de Covid-19 em Zhuhai, anunciou ontem à noite em comunicado o Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus, após notificação das autoridades de cidade chinesa. Segundo o comunicado, a mulher assistiu a um filme no cinema em Zhuhai no passado dia 12 de Março, sentando-se duas filas em frente ao caso confirmado. Teve uma refeição com vários colegas nos dias 14, 15 e 17 de Março, e como não estava a usar máscara durante a refeição, os colegas foram considerados como contacto secundário próximo e serão colocados em observação médica num hotel designado.

       

       

      PONTO FINAL