Edição do dia

Segunda-feira, 4 de Março, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
14.9 ° C
18.9 °
14.9 °
88 %
1.5kmh
40 %
Dom
20 °
Seg
22 °
Ter
23 °
Qua
24 °
Qui
19 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Cultura As ruas do mundo numa exposição que alia a fotografia à filantropia

      As ruas do mundo numa exposição que alia a fotografia à filantropia

      A Associação Internacional de Filantropia, criada em Macau, ainda antes da pandemia, realiza o seu primeiro evento de fotografia, com o tema “This Is My Street”, onde várias pessoas, amadores e profissionais, submeteram as suas fotos “nas suas ruas”, com o objectivo de “Celebrar a Humanidade” e “Servir a Sociedade”.

      A Associação Internacional de Filantropia, criada recentemente em Macau, está a organizar o seu primeiro evento oficial, uma exposição intitulada “This Is My Street”, no Artyzen Grand Lapa Macau. O evento, que foi inaugurado no dia 13 de Novembro, vai-se prolongar até este domingo.

      Lurdes de Sousa, fundadora e directora da associação que esta a organizar o evento, apresentou o projecto ao PONTO FINAL: “Esta é a nossa primeira iniciativa, de carácter filantrópico e isso quer dizer que todos os fundos que vão ser angariados com a exposição vão para uma associação local que, neste caso, é o Lar da Nossa Senhora da Penha”.

      Esta exposição de fotografias de todo o mundo contou com o apoio das redes sociais para atrair interessados na causa a submeter as suas interpretações fotográficas, com um foco das suas ruas ou as suas paisagens. “Isto é uma exposição de fotografias onde as pessoas têm a possibilidade de fazer um donativo para adquirir uma fotografia”, explicou.

      A associação, que foi fundada em Junho de 2019, tem o objectivo de promover a filantropia em Macau, utilizando o território para encontrar, numa perspectiva cultural, formas de retribuir à sociedade, entre o oriente e o ocidente. Lurdes de Sousa refere que pretende ensinar também como é que se faz filantropia, utilizando Macau como uma base para cruzar estes dois conceitos. “No oriente, retribuir à sociedade faz-se de uma forma diferente do que no ocidente e muitas vezes nenhum dos dois sabem realmente o fazer”, aponta.

      O outro objectivo da associação também é, explica a fundadora, integrar Macau nas redes internacionais de filantropia. “Queremos fazer acções futuras com fundações no estrangeiro, fundações em Macau e na China e tentar motivar as pessoas para participarem em acções filantrópicas”, diz.

      Relativamente ao que as pessoas podem esperar desta exposição, Lurdes de Sousa refere que estão expostas 50 fotografias que foram seleccionados, entre as 7 mil que foram submetidas. “Este é o resultado de um grupo que foi criado nas redes sociais em Abril de 2020. Na altura convidou-se as pessoas no mundo inteiro a postar fotografias das suas ruas, daí o nome da exposição. Na verdade, o que se pretendia é que as pessoas pudessem utilizar esta plataforma online para partilhar no mundo inteiro quando estávamos no começo da pandemia, uma partilha do que estavam a viver”, lembra. O conceito, explica a portuguesa radicada em Macau, era simples: “Sair da sua casa e tirar uma fotografia, partilhando-a depois com o resto do mundo”.

      As fotografias partilhadas e submetidas vieram de mais de 130 países. “A exposição conta uma história, a da humanidade nestes dois anos de pandemia”, aponta.

      “Vale a pena vir ver a exposição porque recebemos fotografias realmente muito bonitas, artísticas, de alguns fotógrafos profissionais até, e, por isso, esta exposição é também para celebrar a humanidade e a capacidade de resiliência humana que enfrenta uma adversidade como esta que estamos a viver. E também a extraordinária capacidade, no nosso entender, que os humanos têm de ver o belo mesmo nos momentos tão difíceis. É uma forma de projectar a arte de partilhar fotografias”.

      Lurdes de Sousa admite que muitos dos projectos da associação ficaram em ‘stand by’ devido à pandemia. No entanto, a responsável diz que a associação está confiante no futuro: “Pretendemos, obviamente, realizar conferências, intercâmbios, publicações e talvez outras exposições, no future próximo, sempre com a componente de filantropia”.