Edição do dia

Quarta-feira, 28 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
15.9 ° C
18.9 °
15.9 °
77 %
2.1kmh
40 %
Qua
20 °
Qui
21 °
Sex
17 °
Sáb
15 °
Dom
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Governo chinês estabeleceu “comunicação eficaz” com os talibãs

      Governo chinês estabeleceu “comunicação eficaz” com os talibãs

      A China afirmou ontem ter estabelecido uma “comunicação e consulta abertas e eficazes com os talibãs”, após uma reunião entre representantes do movimento e o embaixador de Pequim em Cabul.

       

      O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Wenbin, não deu detalhes sobre a reunião, que ocorreu na terça-feira, entre o vice-chefe do gabinete político dos talibãs, Abdul Salam Hanafi, e o embaixador Wang Yu. Mas disse que a China considera Cabul uma “plataforma e canal importante para ambos os lados discutirem assuntos importantes”.

      A China recebeu uma delegação liderada pelo líder dos talibãs, ‘mullah’ Abdul Ghani Baradar, para conversas, no mês passado, antes da chegada do movimento ao poder.

      A China manteve aberta a sua embaixada na cidade e diz que não tem planos para uma retirada em massa dos seus cidadãos no Afeganistão. Pequim criticou implacavelmente os Estados Unidos por causa das cenas caóticas no aeroporto de Cabul.

      “Sempre respeitamos a independência soberana e a integridade territorial do Afeganistão, seguimos uma política de não interferência nos assuntos internos do Afeganistão e aderimos a uma política de amizade para com todo o povo afegão”, disse Wang, aos jornalistas, em conferência de imprensa.

      “A China respeita a decisão independente do povo afegão sobre o seu próprio futuro e destino e está pronta para continuar a desenvolver relações de amizade e cooperação de boa vizinhança com o Afeganistão e desempenhar um papel construtivo na paz e reconstrução do país”, acrescentou.

       

      Putin e Xi Jinping querem combater terrorismo e tráfico de droga

       

      Os Presidentes russo e chinês, Vladimir Putin e Xi Jinping, respectivamente, querem reforçar a cooperação contra a ameaça do terrorismo e tráfico de droga vindo do Afeganistão, indicou ontem o Kremlin. Os dois líderes “discutiram o problema afegão” durante uma conversa telefónica e “manifestaram a sua disponibilidade para redobrar esforços para combater as ameaças do terrorismo e do tráfico de droga vindo do Afeganistão”, de acordo com a Presidência russa. “É importante restaurar rapidamente a paz no país e evitar que a instabilidade se propague às regiões vizinhas”, vincou Moscovo.

      Os dois Presidentes querem “envolver tanto quanto possível” a Organização de Cooperação de Xangai, que integra a Rússia, China, Índia, Paquistão e os países da Ásia central limítrofes do Afeganistão, entidade que se deve reunir para uma cimeira no Tajiquistão no próximo mês.

      A Rússia, que adoptou uma atitude conciliatória em relação aos talibãs e a apelou a um “diálogo nacional” no Afeganistão, partilha a preocupação da China com a segurança das antigas repúblicas soviéticas da Ásia central. Moscovo teme em particular um afluxo de refugiados que possa desestabilizar a região e a chegada entre eles de combatentes ‘jihadistas’ e um ressurgimento do tráfico de ópio e heroína.

      Os talibãs passaram a controlar Cabul no dia 15 de Agosto, culminando uma ofensiva iniciada em Maio, quando começou a retirada das forças militares norte-americanas e da NATO. As forças internacionais estavam no país desde 2001, no âmbito da ofensiva liderada pelos Estados Unidos contra o regime extremista (1996-2001), que acolhia no seu território o líder da Al-Qaida, Osama bin Laden, principal responsável pelos atentados terroristas de 11 de Setembro de 2001.

      A tomada da capital põe fim a uma presença militar estrangeira de 20 anos no Afeganistão, dos Estados Unidos e dos seus aliados na NATO, incluindo Portugal. Face à brutalidade e interpretação radical do Islão que marcou o anterior regime, os talibãs têm assegurado aos afegãos que a “vida, propriedade e honra” vão ser respeitadas e que as mulheres poderão estudar e trabalhar.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau