Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
28.3 ° C
28.9 °
26.5 °
79 %
9.3kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina condena ataque a consulado iraniano na Síria, mas evita mencionar Israel

      China condena ataque a consulado iraniano na Síria, mas evita mencionar Israel

      A China condenou ontem o ataque ao edifício do consulado iraniano na Síria, que matou pelo menos sete pessoas e pelo qual Teerão responsabilizou Israel, embora Pequim não tenha referido os israelitas na sua declaração. “A segurança das instituições diplomáticas é inviolável e a soberania, a independência e a integridade territorial da Síria devem ser respeitadas”, declarou ontem o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Wenbin, em conferência de imprensa. Wang acrescentou que a situação atual no Médio Oriente é turbulenta e que a China se opõe a qualquer acção que conduza a uma escalada da tensão. “Exortamos as partes envolvidas a usar de contenção e a trabalhar para resolver as suas diferenças através do diálogo e da consulta”, disse o porta-voz.

      O ataque, que destruiu o edifício do consulado iraniano em Damasco, matou sete membros da Guarda Revolucionária, incluindo o chefe da Força Quds na Síria e no Líbano, o general de brigada Mohamed Reza Zahedi, e o seu adjunto, o general de brigada Mohamed Hadi Haj Rahimi. Este é o ataque mais sangrento contra militares iranianos na Síria em 2024, onde até agora oito pessoas foram mortas por bombardeamentos israelitas, incluindo dois generais da Guarda Revolucionária.

      Após o ataque com mísseis, o embaixador do Irão na Síria, Hossein Akbari, afirmou na televisão estatal iraniana a partir de Damasco que “o regime sionista [Israel] está a agir contra as leis internacionais, pelo que receberá uma resposta dura da nossa parte”. Este aviso foi mais tarde repetido pelo porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Naser Kanani. Até ao momento, Israel não reivindicou a responsabilidade pelo ataque, como é habitual nas suas operações em território sírio.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau