Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.5 ° C
23.9 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
40 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Contacto mais difícil para estrangeiros com nova Lei de Contraespionagem da China

      Contacto mais difícil para estrangeiros com nova Lei de Contraespionagem da China

       

      A entrada em vigor das leis de Contraespionagem e para as Relações Externas na China pode dificultar o contacto entre cidadãos e entidades chinesas e estrangeiras, disseram à agência Lusa especialistas e funcionários governamentais.

       

      A legislação passou a proibir a transferência de qualquer informação relacionada com a segurança nacional e alargou a definição de espionagem, à medida que o Presidente chinês, Xi Jinping, enfatiza a necessidade de construir uma “nova arquitectura de segurança”.

      Em declarações à Lusa, numa visita recente a Pequim, o especialista em Direito chinês Jeremy Daum ressaltou a linguagem “vaga” e a vontade das autoridades, “agora muito mais forte”, em aplicar a Lei de Contraespionagem.

      “A letra da lei não é assim tão importante: nunca faltou às autoridades [chinesas] base legal para atuarem”, salientou o pesquisador do Centro para a China Paul Tsai, da Escola de Direito da Universidade de Yale. “Mas, agora, há claramente muito mais vontade em fazer cumprir a legislação e, por isso, sentimos que o ambiente está a apertar”, notou.

      Daum receia que a legislação vá “dificultar ainda mais o contacto entre cidadãos chineses e estrangeiros”. “Mesmo que não seja esse o propósito: a falta de clareza atribui um ar de suspeição a qualquer contacto”, notou. “Sinto-me feliz, como investigador, que nesta visita [a Pequim], muitos dos meus velhos amigos chineses tenham mostrado grande disposição em reunir comigo. Mas, não sei o quão fácil vai ser fazer novos amigos”, observou.

      Daum admitiu que “existe agora um cálculo, uma análise de custo benefício, no contacto com estrangeiros”. É o caso de um funcionário de uma agência governamental chinesa encarregue de atrair investimento estrangeiro, que optou por não ser identificado, e que disse à Lusa que agora tem de pedir autorização e esclarecer o motivo antes de reunir com entidades estrangeiras, como aconteceu recentemente, durante um encontro com a câmara de comércio de um país europeu. “Os contactos passaram a ser mais regulados e restritos”, apontou.

      Crescentes fricções geopolíticas entre a China e o Ocidente motivaram também transformações nas perceções sobre o exterior.

      Na semana passada, o Ministério de Segurança do Estado chinês pediu a mobilização de “toda a sociedade”, visando “prevenir e combater a espionagem”. O ministério indicou que todos os órgãos estatais e organizações sociais, empresas e instituições têm a obrigação de prevenir e impedir a espionagem e “proteger a segurança nacional”. O organismo disse que vai colocar à disposição dos cidadãos números de telefone e caixas postais para receber denúncias, “garantindo o sigilo” dos informantes.

      A lei chinesa já previa punições pesadas, incluindo pena de morte, para quem participa em operações de espionagem. Em Maio passado, um cidadão norte-americano de 78 anos foi condenado à prisão perpétua por acusações de espionagem. No mesmo mês, a polícia chinesa entrou nos escritórios de duas consultoras, a Bain & Co. e Capvision, e de uma empresa de diligência prévia, a Mintz Group. As autoridades não deram nenhuma explicação, afirmando apenas que as empresas estrangeiras são obrigadas a cumprir a lei.

      Na China, o “papel dirigente” do Partido Comunista (PCC), que governa o país desde 1949, é um “princípio cardeal”, estando o sistema judicial subordinado ao poder político. Noções como a separação de poderes e independência do sistema judiciário fazem parte da “ideologia errada” do Ocidente, que deve ser combatida.

      Jeremy Daum considerou que a emenda que entrou em vigor em julho não visa aproximar a legislação dos parâmetros de um Estado de Direito, mas antes torná-la ainda mais “imprecisa e flexível”. “Um ponto importante da emenda é: se se partilha algo que não está rotulado como segredo de Estado, mas que se devia saber que é um segredo de Estado, está-se também sujeito a punição”, explicou.

      O especialista disse que outro ponto preocupante é que, de acordo com a emenda, não só é considerado espionagem “participar, ser agente ou aceitar tarefas, mas também alinhar com uma agência de espionagem”. “O que quer dizer ‘alinhar com’? É um termo vago. Não é um termo legal”, resumiu.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau