Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens quebradas
30.4 ° C
30.4 °
30.4 °
78 %
6.5kmh
83 %
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaAlemanha aprova nova estratégia económica para fazer face a China “mais agressiva”

      Alemanha aprova nova estratégia económica para fazer face a China “mais agressiva”

      A Alemanha apresentou ontem novas orientações estratégicas económicas que pretende implementar para fazer face a uma China “mais agressiva”, de forma a “reduzir dependências críticas” no futuro, afirmou o chanceler alemão, Olaf Scholz. “O nosso objectivo não é dissociarmo-nos [de Pequim], mas queremos reduzir as dependências críticas no futuro”, afirmou Scholz na rede social Twitter, depois de apresentar a nova estratégia, que disse ser “uma resposta a uma China que mudou e está mais agressiva”.

      A nova estratégia, destinada a redefinir as relações com Pequim, foi aprovada pelo Conselho de Ministros alemão. “Para nós, a China é e continua a ser um parceiro, um concorrente e um rival sistémico”, insistiu.

      No documento, de 60 páginas, que se segue à primeira estratégia de segurança nacional da Alemanha, publicada em meados de junho, é adiantado que o principal objetivo é alertar as empresas alemãs para não se tornarem demasiado dependentes do gigante asiático.

      Ao abordar um vasto leque de temas, da política climática aos direitos humanos, o Governo alemão pretende dotar-se de uma “bússola” para as relações bilaterais com Pequim. “Somos realistas, mas não ingénuos”, advertiu a ministra dos Negócios Estrangeiros alemã, Annalena Baerbock, num discurso proferido no Instituto Mercator de Estudos sobre a China (Merics), em Berlim.

      A nova estratégia da Alemanha surge num contexto de preocupações crescentes na Europa em relação à China, tendo a Comissão Europeia (CE) apresentado, há três semanas, uma proposta para reforçar as medidas de segurança económica contra o país.

      A crise da covid-19 em 2020 revelou a fragilidade das cadeias de abastecimento europeias, que foram vítimas do encerramento das fronteiras chinesas, enquanto a guerra na Ucrânia evidenciou o risco de dependência da Rússia para o fornecimento de gás.

      No entanto, as grandes empresas alemãs, da Siemens à BASF, passando pelos construtores de automóveis, estão altamente expostas ao mercado chinês de mais de 1,4 mil milhões de habitantes, no qual continuam a investir fortemente.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau