Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeDoenças crónicas tornam-se a principal causa de morte em Macau

      Doenças crónicas tornam-se a principal causa de morte em Macau

      Os Serviços de Saúde revelaram ontem, numa nota de imprensa sobre a formação do curso de actualização de autogestão das doenças crónicas, que este tipo de doenças “tornaram-se o principal problema de saúde e a principal causa de morte em Macau”. “Com a urbanização; o envelhecimento e a mudança do estilo de vida global; as doenças crónicas não transmissíveis, tais como diabetes, hipertensão, doença pulmonar obstrutiva crónica, cancro, e outras, continuam a popularizar-se e o número de doentes tem vindo a aumentar”, constataram as autoridades sanitárias.

      De acordo com os dados da Direcção dos Serviços de Estatística e Censos de Macau, em 2021, as mortes por cancro, doenças cardiovasculares, diabetes e doenças respiratórias crónicas em Macau representaram 66% do total de mortes, sendo a taxa de mortalidade de 224,3 por cem mil habitantes, um aumento de 5,4% em relação à taxa de mortalidade de 2009. “Como as doenças crónicas têm um longo percurso e não podem ser curadas, estando intimamente relacionadas com o estilo de vida individual, no processo de controlo das doenças crónicas, para além da procura de serviços médicos, é muito importante a participação própria dos doentes e a autogestão contínua da saúde”, referiram ainda os Serviços de Saúde.

      De acordo com as informações da Organização Mundial de Saúde, as doenças crónicas causam anualmente 41 milhões de mortes, representando 74% do número total de mortes.

      Os dados, tornados públicos pelas autoridades, surgem em paralelo com a realização, há dias, da formação do curso de actualização de autogestão das doenças crónicas para coordenadores, para o qual foram convidados formadores da Associação de Reabilitação de Hong Kong, acreditados pela Universidade Stanford nos Estados Unidos da América, que vieram demonstrar, aos 24 coordenadores qualificados de Macau, “as novas etapas e ensaiar novas actividades, para que os formandos dominem os conteúdos revistos do curso e as técnicas de liderança”.

      O Governo tem promovido, desde 2012, o conceito de autogestão das doenças crónicas, introduzindo o curso de autogestão das doenças crónicas. Desta vez foram ensinados novos conteúdos, com técnicas relacionadas com o tratamento das doenças crónicas, a manutenção da vida normal e o controlo das emoções, “a fim de superar os problemas físicos e psicológicos resultantes das doenças crónicas e ajudar a resolver as dificuldades na vida quotidiana”. Desde a introdução do curso, foram formados 171 coordenadores orientadores para realização de mais de 200 turmas do workshop destinados aos doentes crónicos nas comunidades de Macau, sendo que mais de dois mil doentes crónicos e residentes participaram nesta actividade.