Edição do dia

Terça-feira, 7 de Fevereiro, 2023
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
17.9 ° C
19.9 °
17.9 °
94 %
1kmh
40 %
Ter
22 °
Qua
19 °
Qui
20 °
Sex
20 °
Sáb
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Pequim lança campanha para "rectificar rumores” durante Ano Novo Lunar

      Pequim lança campanha para “rectificar rumores” durante Ano Novo Lunar

      A Administração do Ciberespaço da China lançou ontem uma campanha com o objectivo de “criar um ambiente auspicioso e festivo” e “rectificar rumores” sobre a covid-19 durante as férias do Ano Novo Lunar.

      A Administração do Ciberespaço da China prometeu, em comunicado, “impedir a disseminação de informações nocivas” e publicações nas redes sociais sobre a situação epidémica suscetíveis de “enganar a sociedade e causar o pânico”. O órgão afirmou ainda que vai perseguir “receitas secretas contra o vírus” e “depoimentos falsos de pacientes”, depois de a escassez de medicação e forte pressão hospitalar ter levado pessoas a recorrer a remédios caseiros e soluções duvidosas, como o consumo de pêssegos enlatados, visando prevenir o agravamento dos sintomas causados por infecção pela covid-19.

      Segundo um estudo recente da Universidade de Pequim, cerca de 900 milhões de pessoas contraíram covid-19 na China, depois de o país ter desmantelado a política de ‘zero casos’, no início de Dezembro.

      Na segunda-feira passada, o órgão que está encarregado de censurar o conteúdo ‘online’ na China identificou vários “rumores” susceptíveis de “danificar gravemente a ordem social”. O regulador detectou nas redes sociais chinesas “acusações infundadas”, “pseudociência” e outros comportamentos que “agitaram o sentimento público”.

      Em relação à desinformação sobre o novo coronavírus, o governo mencionou informações que circularam na Internet chinesa sobre alguns pacientes infetados com a cepa original do vírus, de 2019, ou conselhos de saúde como o de que não se pode tomar ibuprofeno depois de recuperar da infecção. O órgão afirmou também que vai estar atento, durante o período festivo, aos internautas que “ostentam riqueza” e “promovem o desperdício de comida”.

      O Executivo exortou, em meados de Dezembro, as autoridades locais a dar prioridade aos serviços de saúde nas zonas rurais “para proteger a população”, apontando a “relativa escassez de recursos médicos” face ao elevado número de deslocações previstas.

      A Comissão Nacional de Saúde da China anunciou, no último sábado, um total de 59.938 mortes, entre 8 de Dezembro e 12 de Janeiro deste ano. O director-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou, na semana passada, que a China não estava a fornecer números completos de mortes por covid-19 no atual surto, o que impede perceber a verdadeira extensão da doença a nível global. A China defende que tem partilhado os seus dados “de forma aberta, atempada e transparente” desde o início da pandemia.

      Lusa

      ViaLusa
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau