Edição do dia

Segunda-feira, 27 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
27.9 ° C
31.5 °
26.9 °
94 %
6.2kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
28 °
Qua
25 °
Qui
26 °
Sex
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaVice-presidente do Parlamento Europeu apela ao diálogo China–Taiwan

      Vice-presidente do Parlamento Europeu apela ao diálogo China–Taiwan

      A vice-presidente do Parlamento Europeu, Nicola Beer, reuniu-se ontem com a líder de Taiwan, Tsai Ing-wen, e pediu que a China abra um “diálogo mútuo e respeitoso” com o território.

       

      Nicola Beer, vice-presidente do Parlamento Europeu, enfatizou ontem a importância de Taiwan “à escala global” e apelou que a ilha possa participar na Organização Mundial da Saúde e que a União Europeia (UE) melhore a sua representação em Taipé.

      Reafirmou o apoio ao direito de Taiwan de determinar o seu próprio futuro, face às crescentes ameaças chinesas de anexar a ilha à força, dizendo que Pequim deve “abster-se de gestos ameaçadores”.

      “Taiwan merece desempenhar plenamente esse papel como parceiro internacional global, estratégico, responsável e confiável”, disse Beer a Tsai. “Somente o povo de Taiwan pode decidir sobre o futuro de Taiwan”, defendeu.

      A vice-presidente do Parlamento Europeu afirmou que a China deve “ter uma parte ativa e construtiva na manutenção e garantia do ‘status quo’ atual, com base no diálogo mútuo e respeitoso”. Tsai elogiou as crescentes relações económicas entre Taiwan e a UE e a aprovação de 20 resoluções no Parlamento Europeu desde o início de 2021 favoráveis a Taipé. “Em nome do povo de Taiwan, gostaria de aproveitar esta oportunidade para estender a nossa sincera gratidão à vice-presidente Beer”, disse a líder de Taiwan.

      A alemã Beer é um dos 14 vice-presidentes do Parlamento Europeu, cujos membros são eleitos entre os 27 estados-membros da UE e que exercem poderes legislativos e de supervisão sobre o executivo do bloco, a Comissão Europeia. Os seus membros são conhecidos por assumir posições independentes em relação às relações externas, Direitos Humanos e meio ambiente.

      Pequim cortou todos os contactos com Taipé após a eleição de Tsai, em 2016, devido à sua recusa em reconhecer que Taiwan faz parte da China e aos seus esforços para construir uma identidade taiwanesa independente.

      Na terça-feira, o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Zhao Lijian, condenou a visita de Beer a Taiwan e a adopção de resoluções pró – Taiwan pelo Parlamento Europeu. “Esta é uma grave violação do princípio de ‘Uma só China’ e envenenou as relações China – Europa”, disse Zhao, referindo-se à insistência da China de que Taiwan não tem direito ao reconhecimento diplomático independente.

      “Pedimos à UE que respeite seriamente o princípio de ‘Uma só China’ e seja prudente em questões relacionadas a Taiwan, de modo a evitar graves danos nas relações China – UE”, acrescentou.

      A China garantiu ainda na terça-feira que responderá com “medidas fortes” se a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, a democrata Nancy Pelosi, visitar Taiwan no próximo mês, uma possibilidade avançada na terça-feira pelo jornal Financial Times, mas não confirmada nem negada por Pelosi ou a sua equipa.

      Actualmente, Taiwan mantém relações diplomáticas oficiais com 14 países: Guatemala, Honduras, Cidade do Vaticano, Haiti, Paraguai, Reino de Essuatíni, Tuvalu, Nauru, São Vicente e Granadinas, São Cristóvão e Nevis, Santa Lúcia, Belize, Ilhas Marshall e Palau. Lusa

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau