Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
24.7 ° C
24.9 °
24.3 °
94 %
3.1kmh
40 %
Ter
25 °
Qua
25 °
Qui
26 °
Sex
27 °
Sáb
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina ocupa a 100.º posição no Índice Global da Paz

      China ocupa a 100.º posição no Índice Global da Paz

      O “País do Meio” ocupa um lugar modesto no ranking muito por culpa das tensões com Taiwan e os problemas no Mar da China Meridional e Oriental, especialmente com as Filipinas. A forma como a Pequim trata a sua população minoritária uigur também afecta a fraca posição no ranking concebido pelo Instituto para a Economia e Paz. Portugal ocupa a quarta posição e é o melhor país da esfera lusófona.

       

      A República Popular da China ocupa a 100.ª posição no Índice Global da Paz que, anualmente, o Instituto para a Economia e Paz (IEP) anuncia. Numa lista de 163 países, Pequim surge numa posição pouco abonatória devido, essencialmente, a três factores: crescentes tensões com Taiwan, problemas no Mar da China Meridional e Oriental, especialmente com as Filipinas, e a forma como lida com a sua população minoritária uigur na província de Xinjiang, refere, em análise, o relatório tornado público esta semana.

      Taiwan levou a uma deterioração do indicador de relações com os países vizinhos. Essas tensões aumentaram com a introdução da Lei da Guarda Costeira da China em Fevereiro de 2021, que permitiu o uso de “todos os meios necessários” para impedir ameaças representadas por embarcações estrangeiras em águas “sob a proteção da China”. Isso levou a um aumento da tensão em todo o Mar da China Meridional e Oriental, especialmente com as Filipinas. Outros países levantaram preocupações sobre o tratamento da China à sua população minoritária uigur, com crescentes pedidos internacionais para que esse tratamento seja classificado como genocídio.

      Em contraponto, Portugal ocupa a quarta posição da lista – desceu dois lugares em comparação com 2020 – e é o melhor colocado do universo lusófono. Em 2021, Portugal amealhou 1.267 pontos, numa escala em que quanto mais baixa for a pontuação mais pacífico é o país. Timor-Leste ficou na 56.ª posição e é o segundo país de língua portuguesa melhor classificado. Segue-se a nova coqueluche do Fórum de Macau, Guiné-Equatorial (62.º lugar), Angola (80.º), Guiné-Bissau (99.º), Moçambique (103.º) e Brasil – que caiu 32 posições desde 2008 – (128.º). Cabo Verde e São Tomé e Príncipe não constam do ranking.

      A Islândia mantém a posição de liderança desde o primeiro dia em que o IEP concebeu o Índice Global da Paz. A encerrar o pódio dos países mais pacíficos surge a Nova Zelândia em segundo lugar e a Dinamarca em terceiro. Tanto o país nórdico quanto a Áustria (na 6.ª posição) têm mostrado estabilidade e posições de relevo no ranking dos países mais pacíficos do mundo.

      Para além da Nova Zelândia, os países fora da Europa melhor posicionados, são o Canadá (10.º), Singapura (11.º), o Japão (12.º), a Austrália (16.º) ou o Butão (22.º).

      Com o conflito armado a acontecer na Ucrânia (143.º posição), a Rússia (154.º) é um dos países que se encontram na cauda do Índice Global da Paz, apesar desta edição não considerar a recente invasão. Sem grande surpresa, os últimos dez lugares da lista são ocupados, no pior para o melhor, por Afeganistão, Iémen, Síria, Sudão do Sul, Iraque, Somália, RD Congo, Líbia, República Centro-Africana e Sudão.

      O Índice Global da Paz é elaborado desde 2008 pelo IEP, com sede em Sydney, na Austrália. Durante os últimos 15 anos, considera a entidade, “a classificação da paz, na maioria dos países, caiu em média 2%, mas 86 participantes melhoraram a situação”. Para conceber o ranking, o IEP avalia 23 indicadores, mas destaca três: o nível de segurança e protecção social, a extensão do conflito doméstico ou internacional em curso e o grau de militarização.

       

       

       

      CAIXA

       

      Índice Global de Paz (do país mais pacífico para o menos pacífico)

       

      1.º – Islândia

      2.º – Nova Zelândia

      3.º – Dinamarca

      4.º – Portugal

      5.º – Eslovénia

      6.º – Áustria

      7.º – Suíça

      8.º – Irlanda

      9.º – Chéquia

      10.º – Canadá

      (…)

      34.º – Taiwan

      56.º – Timor-Leste

      62.º – Guiné Equatorial

      80.º – Angola

      99.º – Guiné-Bissau

      100.º – China

      103.º – Moçambique

      122.º – Estados Unidos da América

      128.º – Brasil

      143.º – Ucrânia

      154.º – Rússia

      (…)

      163.º – Afeganistão