Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.9 ° C
25.4 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
75 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Portal de notícias de Hong Kong Stand News anuncia fecho das operações

      Portal de notícias de Hong Kong Stand News anuncia fecho das operações

       

      O meio de comunicação online de Hong Kong Stand News anunciou a cessação imediata de todas as operações após a polícia ter detido ontem seis membros actuais ou antigos deste portal sob a acusação de “publicação sediciosa”.

       

      “A polícia deteve esta manhã vários funcionários superiores e antigos funcionários superiores da empresa, levou um certo número de pessoas para ajudar na investigação e apreendeu vários computadores e alguns documentos dos escritórios”, disse a Stand News em comunicado divulgado na sua página oficial na rede social Facebook.

      Em resposta, o portal de notícia, ligado frequentemente ao campo pró-democracia, “cessou imediatamente as operações, incluindo o website e todas as actualizações dos meios de comunicação social, e irá removê-las ao longo do dia”. O editor chefe demitiu-se e todo o pessoal da Standpoint News foi despedido com efeito imediato.

      Mais de 200 agentes fardados e à paisana foram destacados para revistar o escritório da publicação no distrito de Kwun Tong, disse a polícia, indicando que as casas dos detidos também foram alvo de buscas.

      Numa declaração, a polícia salientou que os detidos violaram as secções 9 e 10 de uma lei colonial sobre “sedição”, datada de 1938 e esquecida durante décadas.

      De acordo com a emissora públuca RTHK, o actual director do Stand News Patrick Lam e o antigo director Chung Pui-kuen foram detidos, bem como os antigos membros da direção Denise Ho, cantora e activista pró-democracia, Margaret Ng, advogada e ex-membro do Conselho Legislativo local, Christine Fang e Chow Tat-chi.

      O superintendente do Departamento de Segurança Nacional da Polícia, Steve Li, citado pelo portal online Hong Kong Free Press, afirmou que activos num total de 61 milhões de dólares de Hong Kong foram congelados pelas autoridades.

      Segundo o mesmo portal, Li disse que a Stand News publicou “materiais sediciosos” após a promulgação da lei de segurança nacional imposta por Pequim com a intenção de causar ódio ao Governo, ao poder judicial e causar descontentamento entre o público.

      “Há fortes indícios de que estes meios de comunicação social em linha e outros chamados ‘frente internacional’ conspiraram para incitar ao ódio contra o Governo, e puseram em perigo a segurança nacional através da sua plataforma”, afirmou o responsável, citado no mesmo portal.

      A China impôs em final de Junho de 2020 uma lei da segurança nacional ao território, punindo actividades subversivas, secessão, terrorismo e conluio com forças estrangeiras com penas que podem ir até à prisão perpétua.

      A Associação de Jornalistas da antiga colónia britânica afirmou estar profundamente preocupada com estas detenções, notando que, este ano, a polícia deteve vários responsáveis de meios de comunicação social e realizado buscas nos escritórios. Em comunicado, a associação pediu ao Governo de Hong Kong para proteger a liberdade de imprensa de acordo com a Lei Básica.

      Também o The Foreign Correspondents’ Club em Hong Kong indicou em comunicado que “estas ações são mais um golpe para a liberdade de imprensa em Hong Kong”.

      O proeminente activista de Hong Kong Nathan Law, que em 2020 abandonou o território e exilou-se em Londres, também já reagiu através do Twitter, denunciado que o Partido Comunista da China “continua a cobrar aos jornalistas e meios de comunicação social que ousam desafiá-los e falar a verdade”.

      O Stand News, considerado popular entre a oposição local, é a segunda empresa de comunicação social de Hong Kong a ser visada pelas autoridades.

      Em Junho, o jornal Apple Daily fechou, depois de os bens terem sido congelados e os executivos detidos, ao abrigo da lei de segurança nacional imposta por Pequim em Julho de 2020.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau