Edição do dia

Terça-feira, 7 de Fevereiro, 2023
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
17.9 ° C
19.9 °
17.9 °
94 %
1kmh
40 %
Ter
22 °
Qua
19 °
Qui
20 °
Sex
20 °
Sáb
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Categorias do Parágrafo Crítica Uma espantosa voz poética

      Uma espantosa voz poética

       

      Stacey Qiao

       

      Yu Xiuhua 余秀華

      Moonlight Rests on My Left Palm

      Astra House

      Tradução de  Fiona Sze-Lorrain

       

       

      Com um poema intitulado «Crossing Half of China to Fuck You», Yu Xiuhua 余秀華 tornou-se uma celebridade instantânea em 2014. O poema fala explicitamente sobre sexo e sobre o desejo da escritora: «I penetrate a hail of bullets to fuck you/I press countless dark nights into one dawn to fuck you/I, as many, run as one to fuck you». Enquanto alguns a condenaram como lasciva, outros elogiaram-na por canalizar a voz de uma mulher assumindo a iniciativa de se relacionar sexualmente. Com isso, a poeta acabou por encontrar um número crescente de leitores, sobretudo entre os mais jovens. Uma mulher com paralisia cerebral, divorciada, mãe solteira na China rural, Yu rapidamente atraiu a atenção de muita gente – e não apenas leitores de poesia –  e o seu nome apareceu nas primeiras páginas de jornais, programas de televisão, e nos cantos mais remotos da Internet.

      Foi em 2015 que Yu Xiuhua publicou a sua primeira colectânea de poesia e ensaios, 《月光落在左手上》e com ela venceu o Prémio de “Literatura Camponesa” de 2016 e o Prémio Literário de Hubei de 2018. A recepção converteu-se em mais de 300 mil exemplares vendidos na China, fazendo deste o livro de poesia mais vendido do país em várias décadas e assinalando um interesse pela poesia que não se via desde a década de 80.  Agora, a sua fenomenal obra de estreia está disponível em inglês. Com o título Moonlight Rests on My Left Palm, o livro foi traduzido por Fiona Sze-Lorrain e publicado pela Astra House a 14 de Setembro deste ano.

      Yu Xiuhua nasceu em 1976, na aldeia Hengdian da província de Hubei, na China central. Com mobilidade física contida e dificuldades de fala e escrita, consequências da paralisia cerebral, não pôde frequentar a faculdade, viajar, ou trabalhar a terra com os seus pais, permanecendo em casa, onde podia ajudar nas tarefas domésticas. Mais tarde, foi forçada a um casamento arranjado, que veio a revelar-se profundamente abusivo. Divorciou-se do marido e voltou a viver com os seus pais, levando o filho com ela. Foi neste percurso de vida invulgar e aparentemente condenado a uma série de becos sem saída que a autora adoptou a poesia como forma de se expressar e de afastar o estigma ligado à sua deficiência e ao seu estatuto de mãe solteira no campo. Desde finais dos anos 90, escreveu milhares de poemas, abordando com frequência temas como o desejo, o amor e os seus obstáculos, a morte e a perda, a doença e a recuperação, e também a crueldade que integra aquilo a que chamamos natureza humana.

      No epílogo do livro, Yu escreve sobre a génese da sua poesia, cruzando humor e objectividade: «Por causa da minha paralisia cerebral, tenho de ter muita força para manter o meu equilíbrio, pressionar a mão esquerda contra o pulso direito para torcer e conseguir escrever uma palavra. E de todos os géneros literários, a poesia é a que tem menos palavras, por isso é uma escolha natural». Nesses mundos duramente escritos, a autora explora e partilha corajosamente as suas reflexões sobre a falta que sente de casa, a família e os antepassados, a realidade da deficiência no contexto dos impulsos e desejos de um corpo.

       

      No poema «I Love You», Yu transforma os temas comuns da China rural em imagens vívidas:

       

      In my dumb life, I draw water from a well, cook, take my medicine regularly

      When the sun is fine, I place myself inside it, like a dried orange peel

      Tea leaves to use on alternate rounds: chrysanthemum, jasmine, rose, lemon

       

      Noutro poema, «Amor», a autora revela o modo como o ambiente rural molda o seu sentido de inclusão dentro de um universo mais vasto:

       

      I will run into the best landscape, the best folk

      Wherever they are is my homeland

      an ancestral temple where I hear stars in dialogue

       

      Here I am, at this hour

      The world shows me how landscapes undulate

      However large its secret, however large the sky it opens

       

      At this instant, struck by a secret

      I weep, but keep my mouth shut

       

      Para além de poemas, Moonlight Rests on My Left Palm inclui um conjunto de ensaios breves. Organizados por temas e repleto de descrições de episódios da vida da autora, os ensaios dão aos leitores acesso privilegiado ao interior da vida da aldeia e às mudanças que aí têm vindo a ocorrer. Com características formais muito diferentes da poesia, estes textos compõem um diálogo intenso com os poemas de Yu, revistando alguns temas comums como o amor, a mortalidade, o contraste entre o mundo natural e a intervenção humana e a própria escrita.

      A escritora chinesa Wang Anyi disse uma vez que, “aqueles que deram uma contribuição mais significativa para a literatura contemporânea tendem a ser os membros marginalizados da sociedade”. A frase assenta na perfeição no percurso de Yu Xiuhua, agora plasmado neste livro, que se tornou conhecida do público como a “poeta deficiente e camponesa” ou, em modo elogioso por parte de críticos estrangeiros, a “Emily Dickinson da China”. Numa entrevista ao China Youth Daily, a autora rejeitou a ideia dos muitos rótulos que lhe estavam associados, independentemente das boas intenções que poderiam tê-los originado: “Poeta – esse é o único rótulo de que preciso. Quando uma pessoa se afirma através de rótulos, as limitações serão o passo seguinte. Sou uma pessoa com uma personalidade espontânea e vivo a minha vida como me parece adequado. Rotulem-me como quiserem – uma mulher, uma pensadora, uma maluca… Mas uma etiqueta é apenas um pedaço de papel que desaparecerá, mais cedo ou mais tarde”.

      Yu continua a escrever poemas ousados e literariamente inovadores, sem medo de revelar as suas lutas e desejos interiores. «O que é poesia?» escreveu a autora no epílogo deste livro, «não sei e não consigo responder. É o momento em que o meu coração ruge e é aquilo que emerge como um recém-nascido. É como uma muleta quando se caminha de forma instável neste mundo instável. Só quando escrevo poesia é que me sinto completa, em paz e satisfeita». Do lado da recepção,  Moonlight Rests on My Left Palm é também o desconforto, o questionamento e a dúvida, e outra coisa não seria de esperar de um livro com tantas camadas.

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau