Edição do dia

Terça-feira, 25 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nublado
29.8 ° C
29.8 °
29.8 °
83 %
6.2kmh
100 %
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °
Sáb
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeDSEDJ reforça sensibilização de docentes e alunos na prevenção de ‘bullying’ nas...

      DSEDJ reforça sensibilização de docentes e alunos na prevenção de ‘bullying’ nas escolas

       

      As autoridades esperam uma maior prevenção dos casos de ‘bullying’ nas escolas através do aumento da sensibilidade do pessoal docente e não docente, bem como ensinar aos alunos os métodos correctos de tratamento de conflitos escolares. Em resposta a uma interpelação escrita do deputado Che Sai Wang, a Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude assegura ter contribuído para ensinar aos alunos o dever de denunciar situações e de pedir apoio de imediato sempre que enfrentem ou presenciem actos de conflito.

       

      A Direcção dos Serviços de Educação e de Desenvolvimento da Juventude (DSEDJ) assegura que foram implementados diferentes mecanismos e canais com o intuito de travar o ‘bullying’ nas escolas e apoiar os alunos necessitados.

      De acordo com o organismo, são realizadas acções contínuas de formação e apoio ao pessoal docente e não docente das escolas, no sentido de aumentar a sua sensibilidade para evitar, o mais cedo possível, a ocorrência de casos de ‘bullying’ nas escolas. Foram organizadas ainda acções de formação relacionadas com a deontologia dos docentes, “orientando-os para elevarem, de forma contínua, a sua qualidade deontológica”, salientou a DSEDJ.

      Kong Chi Meng, director do organismo, afirmou que as escolas fornecem também aos alunos educação, apoio de aconselhamento e assistência, incluindo a criação de um mecanismo de detecção e a Tabela de Identificação da Saúde Mental dos Alunos para cuidar das necessidades dos estudantes. No ano lectivo passado, recorde-se, foi criado um grupo de trabalho para a saúde física e mental nas escolas do ensino não superior, dedicando-se ao apoio emocional dos alunos.

      O responsável, além disso, revelou que foram já concluídos os materiais complementares para a educação sobre a saúde do ensino secundário geral, encontrando-se em fase de elaboração os mesmos materiais para os outros níveis de ensino. A futura aplicação dos respectivos materiais escolares vai “apoiar os docentes e agentes de aconselhamento aos alunos na realização de aulas de educação para a saúde e de actividades de aconselhamento, bem como ensinar aos alunos os métodos correctos de prevenção e tratamento de conflitos escolares”.

      A resposta da DSEDJ surgiu em resposta a uma interpelação escrita apresentada por Che Sai Wang, que pede uma repressão ao ‘bullying’ escolar e protecção do desenvolvimento saudável dos jovens. O deputado disse ter recebido frequentemente pedidos de ajuda por parte de pais de alunos que relatam que os filhos, na vida escolar, foram vítimas de palavras e actos discriminatórios e até de agressões físicas por parte de outros colegas.

      “Houve ainda certos casos de ‘bullying’ colectivo orientados por professores”, denunciou. Che Sai Wang citou as pessoas que pediram ajuda para referir que as vítimas de ‘bullying’ sofrem do impacto no desempenho do estudo. “A sua autoconfiança e a sua autoestima foram prejudicadas. Problemas de depressão e outros problemas psicológicos, bem como os respectivos sintomas físicos, também surgiram correspondentemente”, observou. O deputado alerta que, para os alunos, “o pior é que passaram também a ter tendência para o suicídio, e alguns até já se tentaram suicidar várias vezes”. O legislador sugeriu, assim, incluir os actos de ‘bullying’ na regulamentação jurídica para punir os agressores e reduzir a ocorrência desses casos nas escolas.

      A DSEDJ não tomou uma posição clara em relação à proposta do deputado de legislar os actos de ‘bullying’, mas garante promoção de “amizade”, “integração” e “recusa do ‘bullying’” junto às escolas por meio do manual prático e infografias, materiais publicitários e vídeos promocionais, “ajudando os docentes a ensinarem aos alunos o dever de denunciar situações e de pedir apoio de imediato, sempre que enfrentem ou presenciem actos de conflito”.

      Kong Chi Meng defende na resposta que a DSEDJ tem coordenado com as escolas e as instituições de aconselhamento para proceder à intervenção aos alunos com necessidades de aconselhamento, com apoio emocional e assistência aos processos de reconciliação. O organismo disse ainda estar a organizar palestras destinadas aos encarregados de educação para ajudar a identificar situações de ‘bullying’ e proporcionar aos alunos uma educação preventiva adequada.