Edição do dia

Segunda-feira, 17 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva fraca
28.1 ° C
29.9 °
27.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Seg
30 °
Ter
30 °
Qua
30 °
Qui
30 °
Sex
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioSociedadeAniversário de Tiananmen novamente sem vigília em Macau

      Aniversário de Tiananmen novamente sem vigília em Macau

      A repressão do movimento estudantil de Tiananmen faz hoje 35 anos e, mais uma vez, não se vai realizar a vigília, que era habitual até 2020. O Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP) confirmou ao PONTO FINAL que não houve nenhum pedido para a realização da vigília no Largo do Senado nem de nenhuma manifestação.

      Em Macau, entre 1989 e 2019, os democratas de Macau reuniam-se no Largo do Senado na noite de 4 de Junho em memória das vítimas de Tiananmen. A iniciativa era organizada pela União de Macau para o Desenvolvimento da Democracia (UMDD), associação dos antigos deputados Au Kam San e Ng Kuok Cheong, que entretanto encerrou.

      Em 2020, as autoridades policiais negaram a realização da iniciativa sob o pretexto da prevenção da pandemia. Em 2021, o CPSP também negou a vigília e o Tribunal de Última Instância rejeitou o recurso dos democratas, dizendo que a vigília de Macau dava palco a um “planeado e deliberado ataque e insulto” à República Popular da China e que isso é “claramente inadmissível e de necessário repúdio”.

      Em 2022, a UMDD já nem tentou organizar a iniciativa e em 2023 a associação extinguiu-se por receio da nova lei de segurança nacional. Assim, tal como aconteceu no ano passado, a homenagem às vítimas de Tiananmen passa das ruas para a esfera privada, com Au Kam San a publicar informações históricas no Facebook.

      Na noite de 3 para 4 de Junho de 1989, o exército chinês avançou sobre estudantes que ocupavam a praça de Tiananmen, em Pequim. Os estudantes pediam uma maior democratização da China, entre várias outras reivindicações. O número total de vítimas mortais ainda não é conhecido.