Edição do dia

Sexta-feira, 14 de Junho, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
29.2 ° C
30.9 °
28.9 °
94 %
3.6kmh
40 %
Sex
29 °
Sáb
30 °
Dom
30 °
Seg
30 °
Ter
30 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioLusofoniaDesenvolver um país implica líderes com inteligência e coragem, diz PR timorense

      Desenvolver um país implica líderes com inteligência e coragem, diz PR timorense

      O Presidente de Timor-Leste, José Ramos-Horta, defendeu ontem que são precisos líderes com visão, coragem e inteligência para identificar desafios e definir prioridades para desenvolver um país. “Para desenvolver um país são precisos líderes, com visão, com compaixão, com coragem política e inteligência para identificar os desafios”, afirmou José Ramos-Horta.

      O Presidente timorense falava na apresentação do relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) “Construindo o Futuro: Novas direcções para o Desenvolvimento Humano na Ásia e no Pacífico”, divulgado ontem em Díli. “Uma vez identificados os desafios, é preciso identificar as prioridades”, disse, salientando que em Timor-Leste o mais importante para os próximos anos passa pelo investimento na segurança alimentar, na agricultura e na água.

      Mas, salientou o prémio Nobel da Paz, não é investir “só com dinheiro”, mas também “com inteligência”. “O Governo pode dizer que aumenta o investimento em 30% para programas de combate à pobreza, para a merenda escolar, para a escola, mas a questão passa pela sua implementação, pela sua execução e integridade”, salientou o chefe de Estado.

      Segundo o relatório do PNUD, apesar dos avanços registados a região da Ásia e do Pacífico continua a enfrentar desafios para concretizar o esperado desenvolvimento humano.

      O relatório defende modelos de crescimento que correspondam à realidade presente e futura sem comprometer a economia e o desenvolvimento humano. “O crescimento económico é essencial, mas não deve ocorrer às custas do desenvolvimento humano. Em vez disso, é crucial entender a interdependência daqueles dois objetivos e o seu potencial para reforço mútuo”, refere o relatório.

      Para que aquela mudança seja concretiza, o PNUD defende que há uma “necessidade urgente” de mudanças, de “romper com o ‘status quo’, e direcionar as políticas para as pessoas”.

      A representante do PNUD em Timor-Leste, Katyna Argueta, explicou que o relatório aponta três direções, nomeadamente que as estratégias de desenvolvimento devem colocar as pessoas no “centro das decisões”, que o instável contexto global implica a diversificação de estratégicas e múltiplos cenários e que é preciso melhorar a governação para “transformar novas ideias em realidade”.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau