Edição do dia

Sábado, 18 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.9 ° C
28.9 °
26.9 °
78 %
3.1kmh
40 %
Sáb
27 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
24 °
Qua
24 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaEmpresas europeias notam dissociação crescente entre sedes e operações na China

      Empresas europeias notam dissociação crescente entre sedes e operações na China

      Dezasseis meses volvidos desde que a China reabriu as suas fronteiras, as empresas europeias continuam a registar crescente “dissociação” entre as suas operações no país e as respetivas sedes, segundo um inquérito divulgado.

      Num novo relatório, a Câmara de Comércio Europeia na China assinalou o aumento acentuado do número de empresas que registaram uma “dissociação” entre as suas sedes e as operações na China, nos últimos dois anos. Isto gerou “um abrandamento das operações existentes e menor capacidade de capitalizar novos projectos ou planos de investimento” na China, lê-se no relatório, que abrange as respostas de 529 empresas europeias.

      Apesar dos esforços da China para manter a sua atração, o investimento directo estrangeiro no país caiu 26%, durante o primeiro trimestre deste ano, em termos homólogos, para 301 mil milhões de yuan, de acordo com dados oficiais.

      Ker Gibbs, antigo presidente da Câmara de Comércio dos Estados Unidos em Xangai, salientou o facto de haver menos funcionários expatriados em posições-chave nas operações na China, o que dificulta a comunicação com as sedes e resulta numa imagem menos clara do que está a acontecer no país. “A informação e o investimento andam a par. Não vais encontrar muitos investidores dispostos a aplicar capital sem confiança na informação com que estão a trabalhar”, disse Gibbs, citado pelo jornal de Hong Kong South China Morning Post. “A dissociação da China em relação ao Ocidente parece estar a acelerar, com as políticas de Pequim e de Washington a empurrarem nessa direção. Não é isto que a comunidade empresarial quer, mas as pessoas estão a reagir às políticas e ao clima geral”, explicou. “As restrições impostas aos jornalistas correspondentes também não ajudaram. Estamos a receber menos histórias da China, e [estas são] frequentemente relatadas por pessoas em Seul ou Singapura, e não a partir do país. As restrições aos dados económicos também não ajudaram”, descreveu.

      Gabor Holch, consultor e autor do livro “Dragon Suit: The Golden Age of Expatriate Executives In China”, tem abordado os riscos de uma “localização” excessiva – a substituição de estrangeiros por gestores locais. Sublinhou a necessidade de os decisores empresariais se basearem cuidadosamente “em dados que reflitam a situação real da China e a situem num contexto regional ou global mais vasto”. Mas isso tornou-se “cada vez mais difícil” nos últimos anos, uma vez que os fluxos de informação foram fortemente restringidos e bloqueados e “trabalhar com o ecossistema digital protegido da China exige uma quantidade surpreendente de transferência manual de dados”, acrescentou.

       

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau