Edição do dia

Sábado, 25 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva moderada
27.8 ° C
31 °
26.9 °
89 %
4.1kmh
40 %
Sáb
28 °
Dom
26 °
Seg
27 °
Ter
29 °
Qua
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaHuman Rights Watch acusa Myanmar de recrutar rohingya à força

      Human Rights Watch acusa Myanmar de recrutar rohingya à força

      A Junta Militar que governa o Myanmar desde o golpe de Estado de Fevereiro de 2021 criticou ontem as “acusações unilaterais” das Nações Unidas sobre o historial em matéria de direitos humanos. A Human Rights Watch tinha acusado a junta militar de ter raptado e recrutado à força mais de mil homens e jovens rohingya no estado de Rakhine desde Fevereiro.

      A Human Rights Watch (HRW) acusou a junta militar do Myanmar de ter raptado e recrutado à força mais de mil homens e jovens rohingya no estado de Rakhine desde Fevereiro. A Junta Militar criticou as “acusações unilaterais” das Nações Unidas sobre o historial em matéria de direitos humanos. Num comunicado, a junta afirmou não ter recebido qualquer comunicação oficial sobre a recente nomeação de um novo enviado especial para o país em crise.

      A Junta Militar “está a utilizar uma lei de recrutamento que só se aplica aos cidadãos de Myanmar”, embora a Lei da Cidadania de 1982 “tenha negado há muito” a cidadania dos muçulmanos rohingya, disse na terça-feira a organização de direitos humanos num comunicado enviado à Lusa. “Os rohingya descreveram terem sido apanhados em rusgas noturnas, coagidos com falsas promessas de cidadania e ameaçados de prisão, rapto e espancamento”, referiu a organização não governamental.

      Ainda de acordo com a HRW, são depois enviados “para treinos abusivos durante duas semanas, sendo depois destacados”. Muitos, continuou a organização, foram enviados para combates entre a junta militar e o grupo armado Exército Arakan, que eclodiram no estado de Rakhine em Novembro de 2023, “tendo vários deles sido mortos e feridos”. “É chocante ver os militares de Myanmar, que cometeram atrocidades contra os rohingya durante décadas e lhes negaram a cidadania, obrigá-los agora a lutar em seu nome”, reagiu a investigadora da HRW para a Ásia Shayna Bauchner, de acordo com o comunicado. Bauchner apelou à junta para que ponha termo “de imediato” a este “recrutamento forçado”.

      Em 10 de Fevereiro, a junta que governa o país após um golpe de Estado em 2021 activou uma lei do serviço militar de 2010, permitindo o recrutamento de homens com idades entre 18 e os 35 anos e de mulheres com idades entre 18 e os 27 anos, “por um período máximo de cinco anos, durante o atual estado de emergência”, explicou a HRW.

      A decisão foi tomada após meses de combates dos militares com grupos armados étnicos e forças de resistência.

      Ainda segundo a organização, a junta anunciou que o recrutamento começaria em Abril, com uma quota mensal de cinco mil, mas as autoridades do estado de Rakhine “começaram a recrutar rohingya à força” no início de fevereiro, constatou a HRW.

      Estima-se que 630 mil rohingya vivam no estado de Rakhine “sob um sistema de apartheid e perseguição, incluindo cerca de 150 mil mantidos em campos de detenção ao ar livre”, afirma-se ainda no comunicado.

      Em Março, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, manifestou preocupação com “relatos de detenção forçada e recrutamento de jovens, incluindo rohingya, e o potencial impacto do recrutamento forçado nos direitos humanos e no tecido social das comunidades em Myanmar”. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau