Edição do dia

Sexta-feira, 24 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
aguaceiros fracos
25 ° C
25.9 °
24.9 °
100 %
2.1kmh
75 %
Sex
26 °
Sáb
26 °
Dom
28 °
Seg
28 °
Ter
27 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaPresidente chinês Xi Jinping recebe chefe da diplomacia russa em Pequim

      Presidente chinês Xi Jinping recebe chefe da diplomacia russa em Pequim

      O Presidente chinês, Xi Jinping, recebeu ontem em Pequim o Ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, no final de uma visita de dois dias ao país asiático.

      O encontro entre Xi e Lavrov teve lugar após uma conferência de imprensa em que o chefe da diplomacia russa e o seu homólogo chinês, Wang Yi, deram conta das conversações oficiais, que incluíram questões como os conflitos na Ucrânia e em Gaza.

      Os dois ministros concordaram que as relações entre Pequim e Moscovo estão mais fortes, concordaram com um alinhamento de posições sobre os principais desafios geopolíticos mundiais e sublinharam que ambos os países vão combater “comportamentos hegemónicos e intimidatórios”, em referência aos Estados Unidos. “Haverá mais intercâmbios e trabalharemos em conjunto para combater o hegemonismo. Somos contra sanções que têm como alvo países como a Rússia, mas estamos a ver que esta política está a começar a ser utilizada contra a China para limitar as suas oportunidades de desenvolvimento. Estão a fazê-lo apenas para eliminar a concorrência”, afirmou Lavrov.

      Wang sublinhou o “elevado” nível dos laços bilaterais: “Somos parceiros prioritários, defendemos um espírito de boa vizinhança e mantemos uma cooperação estratégica abrangente”, resumiu.

      O conteúdo da conversa entre Xi e o ministro russo, que já tinha discutido com o seu homólogo os dois grandes conflitos armados atuais e a estabilidade na região da Ásia -Pacífico, entre outros assuntos, não foi divulgado até ao momento.

      Relativamente à Ucrânia, Lavrov saudou a “posição imparcial” da China sobre a guerra, bem como “a sua vontade de desempenhar um papel construtivo” na “resolução da crise de uma forma política”.

      Também concordou com Wang que é “importante ter em conta as posições de todas as partes envolvidas” e sublinhou que o seu país não participará em nenhum evento internacional em que a posição da Rússia sobre a guerra não seja tida em conta.

      Em Fevereiro de 2022, pouco antes do início da invasão russa na Ucrânia, os presidentes da China e da Rússia, Xi Jinping e Vladimir Putin, respectivamente, proclamaram em Pequim a “amizade sem limites” entre as suas nações. As duas potências têm afirmado que os seus laços “não ameaçam nenhum país” e que “promovem o multilateralismo nas relações internacionais”.

      Desde a eclosão do conflito na Ucrânia, a China apelou ao respeito pela “integridade territorial de todos os países”, incluindo a Ucrânia, e à atenção às “preocupações legítimas de todos os países”, referindo-se à Rússia.

      Manter boas relações com Moscovo é vista por Pequim como crucial para contrariar a ordem democrática liberal dominada pelos Estados Unidos e países aliados. É também uma forma de assegurar estabilidade na fronteira terrestre com a Rússia, que tem mais de 4.300 quilómetros de extensão, e fornecimento estável de energia.

      Esta condição permite a Pequim concentrar recursos nas áreas costeiras e mares circundantes, onde os Estados Unidos mantêm várias bases militares em países aliados, segundo analistas de política externa chineses.

      A China quer afirmar-se como a principal potência no leste da Ásia e diluir o domínio geoestratégico norte-americano na região. A reunificação de Taiwan, localizado entre o Mar do Sul da China e o Mar do Leste da China, no centro da chamada “primeira cadeia de ilhas”, é um objectivo primordial no projeto de “rejuvenescimento da nação chinesa”, lançado pelo Presidente chinês, Xi Jinping.

      As reivindicações territoriais sobre Taiwan e o Mar do Sul da China suscitaram tensões entre Pequim e quase todos os países vizinhos, desde o Japão às Filipinas. A crescente assertividade da China no Indo-Pacífico levou já à formação de parcerias regionais lideradas pelos Estados Unidos, incluindo o grupo Quad ou o pacto de segurança AUKUS, que propôs esta semana a inclusão do Japão.

       

      Rússia e China acusam EUA de dar “carta branca” a Israel na ONU para “matança” em Gaza

      A Rússia e a China argumentaram que tentaram travar a “matança” em Gaza vetando uma resolução proposta por Washington no Conselho de Segurança da ONU que dava “carta-branca a Israel para continuar a ação desumana” no enclave.

      Numa sessão da Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU) em que tiveram de justificar o veto que aplicaram em 22 de Março a uma resolução norte-americana que “determinava” o “imperativo de um cessar-fogo imediato e sustentado” em Gaza, a Rússia e China, ambos membros permanentes do órgão, acusaram Washington de tentar “chantagear” o Conselho de Segurança. “O documento que os nossos colegas americanos tentaram forçar o Conselho de Segurança da ONU a adotar em 22 de março através de intriga e chantagem não só não continha uma exigência direta a um cessar-fogo, mas na verdade emitia uma espécie de licença para matar ainda mais palestinianos”, advogou o vice-representante permanente da Rússia na ONU, Dmitriy Polyansky. “É significativo que o documento americano também tenha explicitado a possibilidade de Israel realizar operações futuras em Gaza, desde que minimize os danos aos civis. No contexto dos planos abertos de Israel para atacar Rafah e do terrível número de vítimas civis desde o início do conflito, incluindo mulheres e crianças, a proposta americana foi chocante no seu cinismo”, acrescentou.

      Também o embaixador chinês Dai Bing declarou que, caso fosse aprovada, a resolução norte-americana significaria a continuação da “matança em Gaza” e das “violações do direito internacional e do direito humanitário internacional”.

      De acordo com o representante de Pequim, a China não hesitará em exercer o seu poder de veto contra projetos de resolução que resultem em graves consequências para os palestinianos.

      Ambos os diplomatas recordaram que, depois do veto à resolução norte-americana, o Conselho de Segurança conseguiu aprovar uma outra resolução a exigir um cessar-fogo em Gaza – mas que ainda não foi implementada. Os embaixadores frisaram que essa resolução, tais como todas as resoluções do Conselho de Segurança, “são vinculativas e devem ser totalmente implementadas”.

      Estas declarações surgem depois de Washington ter causado polémica ao dizer que a resolução aprovada não era vinculativa.

      No domingo, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, reiterou que não haverá trégua sem que os 133 reféns ainda detidos pelo Hamas regressem a casa, acrescentando que Israel não vai ceder a “exigências extremas” dos islamitas.

      A 7 de Outubro do ano passado, combatentes do Hamas – desde 2007 no poder na Faixa de Gaza e classificado como organização terrorista pelos Estados Unidos, a União Europeia e Israel – realizaram em território israelita um ataque de proporções sem precedentes desde a criação do Estado de Israel, em 1948, fazendo 1.163 mortos, na maioria civis, e 250 reféns, cerca de 130 dos quais permanecem em cativeiro e 34 terão entretanto morrido, segundo o mais recente balanço das autoridades israelitas. Em retaliação, Israel declarou uma guerra para “erradicar” o Hamas, que começou por cortes ao abastecimento de comida, água, eletricidade e combustível na Faixa de Gaza e bombardeamentos diários, seguidos de uma ofensiva terrestre ao norte do território, que depois se estendeu ao sul.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau