Edição do dia

Quarta-feira, 22 de Maio, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
chuva moderada
28.2 ° C
29.3 °
26.9 °
83 %
3.1kmh
40 %
Qua
27 °
Qui
26 °
Sex
27 °
Sáb
28 °
Dom
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaBolsas Giorgio Armani terão sido produzidas por trabalhadores chineses explorados em Milão

      Bolsas Giorgio Armani terão sido produzidas por trabalhadores chineses explorados em Milão

      Uma empresa do grupo da marca de luxo Giorgio Armani foi colocada sob administração judicial pelo tribunal de Milão, por alegadamente ter subcontratado uma empresa não autorizada, que empregava trabalhadores chineses que eram explorados. A empresa em questão é a Giorgio Armani Operations, controlada e supervisionada pela Giorgio Armani, e que é responsável pelas coleções e acessórios do prestigiado grupo italiano, especificou o tribunal na sua decisão, citada pela agência France-Presse (AFP).

      Segundo o tribunal, a empresa terá recorrido a um fornecedor, a Manifatture Lombarde, que por sua vez recorreu a subcontratantes que utilizavam oficinas chinesas na província de Milão e empregavam imigrantes indocumentados, para a produção de bolsas, artigos de couro e acessórios Armani.

      O tribunal nomeou um consultor pelo período de um ano, que trabalhará ao lado dos gestores para melhorar o relacionamento com os fornecedores.

      A finalidade desta medida “não é repressiva”, mas “bastante preventiva” com o objetivo de “proteger a sociedade o mais rapidamente possível” da “infiltração criminosa”, pode ler-se na decisão do tribunal de Milão, no seu acórdão de 03 de Abril.

      O contrato do subcontratante oficial da Armani, Manifatture Lombarde, incluía um código de ética e uma proibição explícita da própria utilização de subcontratantes, embora, de acordo com a investigação conduzida pelos carabinieri [polícia militarizada italiana], este subcontratante não tivesse oficina de produção.

      De acordo com a investigação, a empresa Manifatture Lombarde subcontratou a produção a “oficinas chinesas”, que empregam principalmente cidadãos chineses e paquistaneses que trabalhavam em condições que violam as regras fundamentais de segurança. Os trabalhadores, obrigados a “aceitar condições de trabalho particularmente desvantajosas que resultam numa exploração real”, trabalharam nomeadamente um número de horas superior ao oficialmente declarado.

      O grupo Armani salientou, em comunicado, que sempre teve “medidas de controlo e prevenção implementadas para minimizar abusos na sua cadeia de fornecedores”.

      A marca de luxo comprometeu-se ainda a “colaborar com a maior transparência com as autoridades competentes para esclarecer a sua posição nesta matéria”. Giorgio Armani, 89 anos, é o terceiro homem mais rico da Itália, segundo a revista Forbes. A sua fortuna está estimada em mais de 11 mil milhões de euros.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau