Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.8 ° C
27.9 °
26.5 °
89 %
8.8kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaPresidente da Coreia do Sul acusa médicos de formarem cartel contra reforma

      Presidente da Coreia do Sul acusa médicos de formarem cartel contra reforma

      O Presidente da Coreia do Sul criticou “o cartel dos médicos” e prometeu avançar com uma reforma do setor, apesar da greve de médicos estagiários que se prolonga há mais de um mês. Yoon Suk-yeol acusou os governos anteriores de terem fracassado em aumentar o número de admissões nas faculdades de medicina, algo que “fortaleceu o cartel dos médicos”. “Não podemos repetir o mesmo erro”, acrescentou o chefe de Estado, num discurso transmitido pela televisão sul-coreana.

      Quase 70% (8.945) dos 13 mil médicos residentes do país entregaram cartas de demissão numa centena de hospitais universitários a 20 de Fevereiro, em protesto contra a reforma, que inclui o aumento do número anual de licenciados em medicina em dois mil, dos actuais três mil para cinco mil. “A cifra de dois mil não foi fruto do acaso. Analisámos de maneira aprofundada as estatísticas e os estudos relevantes, bem como a situação de saúde actual e futura”, disse Yoon.

      O aumento proposto pelo Governo não será sequer suficiente para responder à crescente procura por cuidados de saúde fora da capital, disse o Presidente, num país onde, devido à baixa taxa de natalidade, quase metade da população deverá ter mais de 65 anos em 2070.

      Os médicos opõem-se à reforma, por considerarem que a admissão de mais estudantes nas escolas de medicina vai provocar diminuição do nível dos futuros médicos e que, consequentemente, a qualidade dos cuidados de saúde vai ser afectada.

      A greve perturbou o funcionamento dos hospitais da Coreia do Sul, obrigando a cancelar tratamentos cruciais, como tratamentos de quimioterapia ou radioterapia para pacientes com cancro, e cirurgias.

      O Governo da Coreia do Sul emitiu em 29 de Fevereiro uma ordem de regresso ao trabalho e ameaçou suspender as licenças dos médicos estagiários em greve. De acordo com a lei sul-coreana, os médicos, considerados trabalhadores essenciais, não podem fazer greve.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau