Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.8 ° C
27.9 °
26.5 °
89 %
8.8kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaChina puniu 269 pessoas ligadas a "práticas espirituais" ilegais desde 2018

      China puniu 269 pessoas ligadas a “práticas espirituais” ilegais desde 2018

      As autoridades chinesas puniram criminalmente 269 pessoas desde 2018 pela intensificação da repressão contra “práticas espirituais”, anunciou ontem a polícia.

      Estas actividades, que “prometem melhorias na vida através de práticas pseudocientíficas e espirituais”, têm estado sob vigilância especial nos últimos anos, lê-se no portal oficial da polícia chinesa.

      As forças especiais investigaram uma série de organizações que realizam actividades de formação ilegal sob o pretexto de “cura espiritual” e “estimulação potencial” ou que se referem a “civilizações alienígenas” e “energias que mudam a vida”.

      Foram aplicadas sanções contra várias instituições que oferecem serviços de “cultivo espiritual” em todo o país, condenando os envolvidos a penas de prisão que variam entre cinco e 17 anos por operações comerciais ilegais, utilização de crenças supersticiosas para minar a lei, fraude, violação e outros crimes.

      As autoridades explicaram que estas atividades “distorcem conceitos” relacionados com a psicologia, o sucesso e a tecnologia moderna para promover o chamado “cultivo espiritual”.

      Segundo a mesma fonte, estas instituições “implementam o controlo da mente” através de sessões privadas, utilizando métodos que incluem o isolamento, a hipnose, a lavagem cerebral, a sugestão psicológica e a auto-negação.

      Estas organizações ilegais expandem ainda as suas equipas através da adesão e do proselitismo e, em muitos casos, de esquemas de venda em pirâmide, acumulando grandes somas de dinheiro.

      As forças de segurança acrescentaram que, em resultado deste “controlo da mente”, houve vários casos de praticantes que recusaram tratamento médico ou cometeram suicídio.

      As autoridades de segurança pública instaram a sociedade a “reconhecer a natureza e os danos” destas atividades e a resistir a tais “práticas espirituais”.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau