Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
28.3 ° C
28.9 °
26.5 °
79 %
9.3kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaLucros da Xiaomi dispararam em 2023 para 17,475 mil milhões

      Lucros da Xiaomi dispararam em 2023 para 17,475 mil milhões

      A empresa tecnológica chinesa Xiaomi registou um lucro líquido de 17,475 mil milhões de yuans, um valor sete vezes superior ao do ano anterior. Na declaração de resultados que apresentou na terça-feira à Bolsa de Hong Kong, onde está cotada, a empresa demonstra que o seu volume de negócios caiu 3,2% em 2023, para cerca de 270,97 mil milhões de yuans. Em 2022, a Xiaomi registou um declínio significativo (-87%) nos lucros devido à queda na venda de ‘smartphones’, consequência da menor procura do mercado no contexto da pandemia de covid-19. “Ao longo de 2023, executámos diligentemente a nossa estratégia operacional chave de dupla ‘ênfase na escala e na rentabilidade'”, afirmou a empresa em comunicado, sublinhando que o seu lucro líquido subiu 126,3%, excluindo os gasto, com o desenvolvimento do seu primeiro veículo elétrico, que será lançado oficialmente no final deste mês.

      Por enquanto, a divisão de ‘smartphones’ continua a ser a mais lucrativa da empresa, com 58,1% das receitas, embora estas tenham caído 5,8% em relação ao ano anterior, já a divisão da “internet das coisas e produtos de estilo de vida” – televisores inteligentes, computadores portáteis e electrodomésticos – e “serviços de internet” aumentaram 0,4 % e 6,3 %, respectivamente. Em concreto, a Xiaomi vendeu menos 3,3% de smartphones em 2023, passando de 150,5 milhões de unidades em 2022 para 145,6 milhões em 2023, no contexto de uma queda que a empresa de consultoria Canalys estima em 4,3 % no mercado destes produtos a nível global. Apesar disso, a empresa tecnológica manteve pelo terceiro ano consecutivo a terceira posição no ranking mundial de fornecedores de ‘smartphones’, com uma quota de mercado de 12,8%, a mesma que no final do ano anterior. Embora em 2022 as vendas internacionais e as vendas na China estivessem quase ao mesmo nível (49,2% do total contra 50,8%), em 2023 o mercado interno foi o grande protagonista da Xiaomi, representando 55,1% do seu volume de negócios em comparação com 44,9% para o resto do mundo.

      As receitas na China aumentaram 4,87% em termos anuais, enquanto as receitas em outros territórios – principalmente na Europa e na Índia – diminuíram 11,62%. A Xiaomi, que apresentou o seu novo sistema operativo HyperOS em outubro, aumentou o seu lucro no quarto trimestre em 50,3% relativamente ao mesmo período do ano anterior, enquanto o seu volume de negócios subiu 10,9%.

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau