Edição do dia

Terça-feira, 16 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.1 ° C
27.1 °
25.9 °
94 %
1.5kmh
40 %
Seg
26 °
Ter
28 °
Qua
28 °
Qui
28 °
Sex
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioDesportoManhão quer aposta no desporto e pede aproveitamento do Canídromo

      Manhão quer aposta no desporto e pede aproveitamento do Canídromo

      Num texto enviado às redacções, Francisco Manhão critica a falta de aposta no desporto por parte das autoridades. O presidente da direcção da Associação dos Aposentados, Reformados e Pensionistas de Macau (APOMAC) diz que há poucas zonas destinadas à prática de desporto, não há técnicos qualificados e, além disso, falta apoio do Governo. Assim, Manhão propõe que as autoridades façam do Canídromo um complexo desportivo para várias modalidades.

       

      Apesar do esforço dos atletas, os resultados desportivos da RAEM “não têm sido exemplares”, afirma Francisco Manhão, num artigo enviado às redacções. O presidente da direcção da Associação dos Aposentados, Reformados e Pensionistas de Macau (APOMAC) diz que a culpa é da falta de espaços destinados à prática de desporto, à falta de técnicos qualificados e à falta de apoio do Governo de Macau.

      “Não se percebe bem o porquê da ausência de apoios aos atletas, nem se compreende por que é que ainda não foi definida uma estratégia orientada para a melhoria do desporto a todos os níveis”, diz Manhão, lembrando que Xi Jinping já referiu anteriormente a necessidade de desenvolver o desporto do país.

      Em Macau, diz, “não se constatou, durante estes últimos 15 anos, quaisquer melhorias em termos de construção de novas instalações desportivas dignas de registo, excepção ao complexo existente em Mong-Há, que, apesar de ser bonito, é ainda insuficiente para a prática de desporto de alta competição”.

      Notando que apenas o wushu de Macau registou conquistas em competições de alto nível, Manhão sublinha que “nenhum outro desporto teve qualquer mérito digno de registo e, a isto, se deveu a falta de apoio material aos atletas bem como de instalações para a sua prática ou treino”.

      Por isso, o responsável da APOMAC sugere o aproveitamento do Canídromo. “Naquele espaço poder-se-á projectar um outro complexo desportivo para a prática das mais variadas modalidades, como sendo, o futebol e, em recinto fechado, o voleibol, basquetebol, andebol, futsal, badminton, entre outras”, propõe, acrescentando que neste espaço deveria haver um centro de medicina desportiva equipado com piscina, alojamento para estágios de atletas, zonas de restauração e estacionamento.

      “Um investimento desta natureza irá certamente colher os seus frutos a médio prazo e, com isso, honrará o nome da RAEM como está acontecendo na nossa vizinha cidade de Hong Kong, que nos últimos anos tem conseguido excelentes resultados precisamente porque compreenderam, os seus dirigentes, que o desporto não deixa de ser uma vertente importante para um país ou  cidade”, indica, concluindo: “O espaço físico para o referido complexo desportivo já  existe, assim como não faltam verbas para o efeito, por isso, ouso-me propor ao senhor Chefe do Executivo para ponderar seriamente a presente proposta”.