Edição do dia

Domingo, 21 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
24.9 ° C
24.9 °
24.9 °
94 %
5.1kmh
20 %
Sáb
26 °
Dom
26 °
Seg
25 °
Ter
25 °
Qua
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioGrande ChinaCountry Garden falha pagamento de juros em obrigações emitidas na China

      Country Garden falha pagamento de juros em obrigações emitidas na China

      O gigante do imobiliário chinês Country Garden falhou o pagamento atempado de 96 milhões de yuan de juros sobre uma obrigação emitida no mercado chinês, informou ontem a imprensa local. A Country Garden tinha cumprido até agora todos os seus pagamentos em yuan, apesar de ter entrado anteriormente em incumprimento nas suas obrigações emitidas nos mercados internacionais e estar a negociar uma reestruturação da dívida, após ter recebido um pedido de liquidação em Hong Kong. A empresa prometeu “fazer o seu melhor para angariar fundos durante o período de prorrogação [de 30 dias]”, através de vendas, revitalização de ativos e corte de despesas administrativas desnecessárias, segundo o jornal local The Paper, que cita vários detentores das obrigações em causa.

      A construtora conseguiu prolongar mais de 10 mil milhões de yuan em obrigações ‘onshore’ por três anos, em Setembro, e desde então pagou várias parcelas da dívida, incluindo 800 milhões de yuan em Dezembro, noticiou ontem a agência Bloomberg. Ao explicar porque não pagou os juros da referida obrigação ‘onshore’, cujo prazo terminou na terça-feira, o ex-líder do mercado imobiliário chinês, entre 2017 e 2022, atribuiu a culpa a “fatores como a recuperação das vendas, que não correspondeu às expetativas” e à “pressão na alocação de capital”. Na semana passada, em comunicado à Bolsa de Valores de Hong Kong, onde está cotada, a Country Garden revelou que as suas vendas caíram 85% em fevereiro, em termos homólogos, a maior queda em pelo menos cinco anos e um valor que coloca o volume de vendas a um décimo da média mensal dos últimos quatro anos. Perante a situação, um credor apresentou no final de Fevereiro um pedido de liquidação contra a empresa num tribunal de Hong Kong, abrindo um processo cuja primeira audiência está marcada para 17 de Maio, embora o promotor tenha garantido que o montante devido ao queixoso (cerca de 204 milhões de dólares) é “uma proporção muito pequena” do seu passivo ‘offshore’ e não afectará as suas operações ou negociações de reestruturação. Um mês antes, a justiça de Hong Kong tinha ordenado a liquidação de outro dos grandes nomes da crise imobiliária chinesa, a Evergrande, a favor dos seus credores estrangeiros, uma decisão que abriu um longo e incerto processo, uma vez que não se sabe se será reconhecida na China continental, onde se encontra a maior parte dos seus activos, uma vez que o sistema judicial da antiga colónia britânica é distinto do da China, ao abrigo do seu estatuto semiautónomo.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau