Edição do dia

Terça-feira, 16 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.1 ° C
27.1 °
25.9 °
94 %
1.5kmh
40 %
Seg
26 °
Ter
28 °
Qua
28 °
Qui
28 °
Sex
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioInternacionalNATO: Aliança “maior e mais forte” com Suécia e “mais perto” da...

      NATO: Aliança “maior e mais forte” com Suécia e “mais perto” da Ucrânia

      O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, salientou ontem que a Aliança Atlântica está “maior e mais forte” do que o esperado pelo Presidente russo com a adesão oficial da Suécia e “mais perto do que nunca” da Ucrânia. “Quando o Presidente [russo] Putin lançou a sua guerra de escala contra a Ucrânia, há dois anos, queria menos NATO e mais controlo sobre os seus vizinhos. Queria destruir a Ucrânia como Estado soberano, mas não conseguiu. A NATO é maior e mais forte e a Ucrânia está mais perto do que nunca de aderir à NATO”, declarou Jens Stoltenberg. Falando à imprensa na sede da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), em Bruxelas, no dia em que se celebra a adesão oficial da Suécia à Aliança Atlântica, o responsável acrescentou que “o Presidente Putin começou esta guerra e podia acabar com ela hoje, mas a Ucrânia não tem essa opção [pois] a rendição não significa paz”. “O nosso apoio à Ucrânia salva vidas e deve continuar”, vincou Jens Stoltenberg, falando num “dia bom para a Suécia, para a NATO e para a paz e segurança em toda a Europa”. Destacando os “corajosos ucranianos que continuam a lutar pela liberdade”, o líder da organização salientou ser necessário “continuar a fortalecer a Ucrânia para mostrar ao Presidente Putin que ele não vai conseguir o que quer no campo de batalha”, devendo antes “sentar-se e negociar uma solução em que a Ucrânia seja reconhecida e prevaleça como uma nação independente e soberana”.

      A bandeira da Suécia foi ontem hasteada na sede da NATO, em Bruxelas, numa cerimónia que oficializa a adesão do país nórdico à Aliança Atlântica após dois anos de negociações. Referindo-se à adesão, Jens Stoltenberg observou que a Suécia tem “capacidades de vanguarda” na área da Defesa – por terra, no ar e no mar –, alocando desde já mais de 2% do seu Produto Interno Bruto (PIB) a este sector. “Em resposta à agressão de guerra da Rússia contra a Ucrânia, a NATO aumentou substancialmente a nossa presença nas linhas de demarcação e a adesão da Suécia reforça ainda mais essa presença”, adiantou. A adesão da Suécia à NATO, desencadeada pela invasão russa da Ucrânia e conseguida após dois anos de intensas negociações, ocorreu após a Hungria – um dos aliados, a par da Turquia, que colocou os maiores obstáculos – ter aprovado no parlamento e ratificado o protocolo de adesão de Estocolmo.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau