Edição do dia

Sexta-feira, 19 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.8 ° C
27.9 °
26.5 °
89 %
8.8kmh
40 %
Sex
28 °
Sáb
28 °
Dom
25 °
Seg
24 °
Ter
26 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioÁsiaArquitecto japonês Riken Yamamoto vence prémio Pritzker 2024

      Arquitecto japonês Riken Yamamoto vence prémio Pritzker 2024

      O arquitecto japonês Riken Yamamoto, conhecido pelos projetos que valorizam a comunidade e aproximam culturas, é o vencedor do prémio Pritzker 2024, o mais importante galardão mundial da arquitectura, anunciou ontem a organização.

       

      Este galardão internacional foi criado em 1979 para premiar anualmente um arquitecto vivo por conquistas significativas nesta disciplina, e inclui um valor monetário de 100 mil dólares. “Yamamoto desenvolve uma nova linguagem arquitectónica que não se limita a criar espaços para as famílias viverem, mas cria comunidades para as famílias viverem juntas”, disse Tom Pritzker, presidente da Fundação Hyatt, que patrocina o prémio.

      Os arquitectos portugueses Álvaro Siza e Eduardo Souto de Moura foram distinguidos com o Pritzker em 1992 e em 2011, respetivamente.

      Presidido pelo arquitecto chileno Alejandro Aravena, o júri desta edição também integrava o diplomata brasileiro André Aranha Lago, o professor de História da Arte Barry Bergdoll, a arquitecta Deborah Berke, o jurista Stephen Breyer, a arquitecta Kazuyo Sejima e o professor e arquitecto Wang Shu.

      A justificação do júri deste ano refere que Riken Yamamoto foi selecionado “por sensibilizar a comunidade para o que é a responsabilidade da exigência social, por questionar a disciplina da arquitectura para calibrar cada resposta arquitectónica individual e, sobretudo, por lembrar que na arquitectura, como na democracia, os espaços devem ser criados pela vontade das pessoas.”

      Riken Yamamoto nasceu em 1945, em Pequim, na República Popular da China, e mudou-se para Yokohama, no Japão, pouco depois do fim da II Guerra Mundial, habitando desde a infância uma casa em que o equilíbrio entre as dimensões pública e privada eram próximas, pois a residência da família tinha a farmácia da sua mãe na frente, e a área de habitação nas traseiras.

      O 53.º laureado com o Pritzker licenciou-se na Universidade de Nihon, no Departamento de Arquitectura da Faculdade de Ciências e Tecnologia, em 1968, e obteve um mestrado em arquitectura na Universidade de Artes de Tóquio, em 1971, fundando o seu atelier, Riken Yamamoto & Field Shop, em 1973.

      A transparência na forma, no material e na filosofia da arquitectura continua a ser um elemento essencial nas suas obras, segundo o comunicado ontem divulgado pela organização do Pritzker que, até esta edição, já distinguiu outros oito arquitectos japoneses, como Kenzo Tange (1987) e Arata Isozaki (2019).

      A obra de Yamamoto, 79 anos, inclui residências privadas e habitações públicas, escolas, instituições cívicas e universidades, como a da Província de Saitama (1999) e a Nagoya Zokei (2022), ainda o complexo Hotakubo Housing (1991), a Biblioteca de Tianjin (República da China, 2012), e o centro de lojas e serviços The Circle, do Aeroporto de Zurique (Suíça, 2020).

      Após o terramoto de 2011 no Japão, e o tsunami de Töhoku, criou o Local Area Republic Lab, um instituto dedicado a actividades comunitárias através do design arquitectónico, e instituiu o Prémio Local Republic, em 2018, para homenagear jovens arquitectos que “agem com coragem e ideais para o futuro”.

      Entre as distinções ao longo da sua carreira de cinco décadas, inclui-se o Prémio do Instituto de Arquitectos do Japão para o Museu de Arte de Yokosuka (2010), o Prémio de Edifícios Públicos (2004 e 2006), o Prémio de Ouro Good Design (2004 e 2005), o Prémio do Instituto de Arquitectura do Japão (1988 e 2002), o Prémio da Academia de Artes do Japão (2001) e o Prémio de Arte Mainichi (1998).

      Em 2023, o Pritzker foi entregue ao arquitecto britânico David Alan Chipperfield, conhecido pelos projetos de renovação de edifícios antigos como o Novo Museu de Berlim, e em 2022 foi galardoado o arquitecto do Burkina Faso Francis Kéré, que se tornou o primeiro africano a conquistar o galardão.

      Entre os anteriores laureados estão Philip Johnson, primeiro distinguido, Aldo Rossi, Frank Gehry, Rafael Moneo, Norman Foster, Zaha Hadid, Jean Nouvel, Yvonne Farrell, Shelley McNamara, assim como arquitectos brasileiros Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau