Edição do dia

Domingo, 14 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.5 ° C
28.9 °
25.9 °
89 %
3.1kmh
40 %
Dom
27 °
Seg
27 °
Ter
27 °
Qua
27 °
Qui
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioEconomiaEconomia voltou a crescer em 2023 com retoma do turismo

      Economia voltou a crescer em 2023 com retoma do turismo

      A economia de Macau voltou a crescer em 2023, com o produto interno bruto (PIB) a subir 80,5%, graças ao fim da política ‘zero covid’ e a retoma do turismo, disseram as autoridades.

      O PIB da região administrativa especial chinesa atingiu 379,5 mil milhões de patacas, invertendo uma contração de 21,4% em 2022, adiantou a Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC). A DSEC apontou, em comunicado, para “a retoma gradual das actividades económicas locais e das exportações de serviços” como factores favoráveis.

      A China levantou em 6 de Fevereiro de 2023 todas as restrições devido à pandemia de covid-19 nas deslocações para Hong Kong e Macau, permitindo o reinício das excursões organizadas para as duas cidades. Em resultado, o benefício económico das apostas feitas por visitantes em casinos mais do que quadruplicou no ano passado, enquanto dos outros serviços turísticos aumentou 127,9%, sublinhou a DSEC.

      Macau recebeu em 2023 mais de 28,2 milhões de visitantes, cinco vezes mais do que no ano anterior, enquanto as receitas do jogo quadruplicaram, para 183,1 mil milhões de patacas.

      Os dados da DSEC mostraram que as despesas do Governo caíram 6,4%, após o fim das medidas de apoio económico, que incluíram dar oito mil patacas a cada residente, montante que podia ser usado para efectuar pagamentos, sobretudo no comércio local. A DSEC destacou que a economia de Macau no primeiro trimestre representa mais de 80% do PIB em 2019, antes do início da pandemia. O PIB per capita do território cifrou-se em 559.500 patacas em 2023, um aumento de 80,5%.

      Macau, com cerca de 681.300 habitantes, tem o décimo PIB per capita mais elevado do mundo, de acordo com dados compilados pelo Fundo Monetário Internacional. Em Dezembro, a Universidade de Macau (UM) previu que a economia do território poderá crescer até 21% em 2024, permitindo que o produto interno bruto recupere até níveis atingidos antes da pandemia. No entanto, a UM avisou que “Macau enfrentará incertezas”, sobretudo devido à “contração do mercado imobiliário, bem como a dívida pública local e empresarial” na China.

      O investimento em imobiliário na China continental caiu 9,4% nos primeiros 11 meses do ano, revelou a 15 de dezembro o Gabinete Nacional de Estatística chinês, devido a uma crise que deixou casas inacabadas e levou à queda dos preços por metro quadrado.

      Em Dezembro, a agência de notação financeira Moody’s baixou a perspetiva da classificação de Macau de estável para negativa devido ao “abrandamento estrutural da economia da China continental”.

       

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau