Edição do dia

Domingo, 21 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
aguaceiros fracos
23.9 ° C
23.9 °
22.9 °
88 %
5.1kmh
40 %
Sáb
26 °
Dom
27 °
Seg
26 °
Ter
26 °
Qua
27 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioPolíticaDeputados pedem maior capacidade de recepção de turistas

      Deputados pedem maior capacidade de recepção de turistas

      O turismo foi o tema que dominou as intervenções antes da ordem do dia na reunião plenária de ontem da Assembleia Legislativa (AL). No total, nove deputados apresentaram intervenções sobre o assunto, pedindo ao Governo que crie estratégias para que a região possa receber mais turistas e também para que os visitantes sejam encaminhados para outras zonas da cidade, de forma a fomentar a economia dos bairros comunitários.

       

      Das 27 intervenções antes da ordem do dia da reunião plenária de ontem da Assembleia Legislativa (AL), nove versaram sobre o turismo na região. Alguns deputados pediram condições para que a região possa receber mais visitantes e outros reiteraram a sugestão para que os turistas fomentem também a economia dos bairros comunitários.

      Recorde-se que, na semana dourada do Ano Novo Lunar, Macau recebeu mais de 1,3 milhões de visitantes, ou seja, 170 mil por dia. Em todo o mês de Janeiro, a região viu chegar quase 2,9 milhões de visitantes.

      Ma Chi Seng foi o primeiro deputado a abordar o assunto e a propor que o Governo optimize as medidas turísticas e a capacidade de recepção de visitantes. O deputado apontou que, com as obras de ampliação do Aeroporto Internacional de Macau, as autoridades devem ponderar o aumento dos voos e, por outro lado, promover políticas de benefícios e acções de promoção turística para explorar novos mercados de visitantes internacionais.

      O deputado nomeado afirmou também que Macau devia “realizar actividades diversificadas, enriquecer os elementos culturais e recreativos, e enriquecer o conteúdo do Centro Mundial de Turismo e Lazer”. “Face ao aumento da concorrência no mercado turístico internacional, o sector turístico de Macau precisa de reforçar a sua própria atractividade, criar um turismo de fundo com características culturais e melhorar a qualidade da experiência turística dos visitantes”, explicou.

      Logo a seguir, Zheng Anting sugeriu: “O Governo deve continuar a envidar mais esforços no marketing e publicidade, em prol do desvio de visitantes para diversas zonas; a melhorar a qualidade e a quantidade das zonas turísticas e dos programas turísticos; e a atrair mais turistas de qualidade para visitarem Macau, em prol do impulsionamento do desenvolvimento sustentável e diversificado da sua economia”.

      No rol de propostas, o deputado eleito pela via directa salientou que as autoridades devem fazer um balanço dos trabalhos dos últimos anos no que toca ao “controlo do ruído, a manutenção da higiene nos bairros comunitários e a boa gestão do trânsito”, e proporcionar aos cidadãos e turistas “uma melhor experiência de visita a pé”. Além disso, deixou mais uma sugestão: a criação de uma ilha Guangdong-Hong Kong-Macau para turismo de luxo, através de embarcações de recreio e helicópteros.

      Leong Sun Iok, antevendo um aumento contínuo do número de turistas daqui para a frente, pediu ao Executivo que promova a optimização de infra-estruturas e do trânsito, de forma a que haja mais condições para os receber. Referiu também que espera o lançamento de novos produtos turísticos para promover o desenvolvimento económico do território. O parlamentar ligado à Federação das Associações dos Operários de Macau (FAOM) disse esperar que o Governo coloque mais anúncios para atrair mais turistas.

      Leong Hong Sai começou por assinalar que “os residentes estão muito contentes com a recuperação da indústria do turismo e com o desenvolvimento da economia”. No entanto, alertou: “Os autocarros de turismo que passam pelos bairros comunitários e param em locais inadequados para a tomada e largada de passageiros afectam o trânsito e constituem um risco para a segurança rodoviária. Alguns turistas deitam lixo e urinam a seu bel prazer nas vias públicas, afectando gravemente a higiene comunitária”.

      Por isso, sugeriu que o Executivo aperfeiçoe as condições para a recepção de um grande número de turistas, nomeadamente que aperfeiçoe as instalações complementares, que equilibre as necessidades dos residentes e turistas e, no fundo, que “eleve a capacidade de acolhimento de turistas e a competitividade da cidade”.

      “A indústria do turismo está a recuperar rapidamente, por isso, é preciso reforçar a capacidade de acolhimento de turistas”, sugeriu também Ho Ion Sang, dando como exemplos o “reforço contínuo da construção do sistema de transportes públicos, do aperfeiçoamento das instalações complementares, da orientação para o redireccionamento dos turistas, para estes poderem ter uma boa experiência, para atrair o consumo por parte destes, e promover o desenvolvimento sustentável do sector do turismo”.

      O deputado eleito por sufrágio indirecto afirmou também que, como os recursos turísticos de Macau estão “muito concentrados”, deve-se estudar a criação de mais zonas pedonais nos feriados e instalar uma “rede de abastecimento de água e electricidade nos bairros antigos, para optimizar as condições comerciais e expandir as actividades de promoção turística a outras zonas, para atrair os turistas para os bairros antigos”.

      Ho Ion Sang também sugeriu que no espaço do actual Jockey Club, cujo contrato terminará em breve, nasça um local para o desenvolvimento da iniciativa “desporto + turismo” ou novas instalações turísticas. Por fim, o parlamentar também propôs ao Governo que conceda mais incentivos a investidores de forma a aumentarem a oferta de hotéis económicos, “a fim de satisfazer as necessidades dos diferentes tipos de turistas”.

      “O desenvolvimento desequilibrado e insuficiente da estrutura turística tem sido, desde sempre, um problema profundo no desenvolvimento económico de Macau”. A afirmação foi da deputada Song Pek Kei, que notou que “o investimento das grandes empresas limita-se a seis áreas históricas, e não há novas soluções para lidar com os problemas relativos ao desenvolvimento da economia comunitária existentes ao longo dos tempos”.

      Apontando para as filas para apanhar um táxi e nas paragens de autocarros, Song Pek Kei questionou: “Como é que [os turistas] podem ter uma boa impressão de Macau?”. “Proponho ao Governo que reveja a organização dos transportes nas zonas turísticas mais visitadas e defina medidas específicas para a evacuação de pessoas nos feriados e fins-de-semana, por exemplo, criar carreiras expressas e organizar autocarros turísticos especiais, para dispersar eficazmente o fluxo de pessoas e elevar a qualidade dos serviços turísticos de Macau”, instou.

      O deputado Che Sai Wang reiterou o pedido para que sejam atraídos mais visitantes para os bairros comunitários “em prol do desenvolvimento equilibrado da economia comunitária” e que sejam criados novos pontos de promoção económica. Pedido semelhante fez Angela Leong, sublinhando: “Macau deve explorar activamente o potencial do turismo comunitário e criar um ‘cartão-de-visita do turismo comunitário’ com características de Macau”. Si Ka Lon, por seu lado, pediu a dinamização do turismo marítimo. “A sociedade espera que o Governo explore ainda mais as potencialidades dos passeios marítimos”.