Edição do dia

Terça-feira, 16 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
26.1 ° C
27.1 °
25.9 °
94 %
1.5kmh
40 %
Seg
26 °
Ter
28 °
Qua
28 °
Qui
28 °
Sex
28 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioInternacionalDois anos de guerra assinalados em Lisboa com um "obrigado, Portugal"

      Dois anos de guerra assinalados em Lisboa com um “obrigado, Portugal”

      Algumas centenas de pessoas, sobretudo ucranianas, juntaram-se em Lisboa para assinalar os dois anos de guerra na Ucrânia, numa iniciativa que serviu para agradecer a Portugal e pedir mais apoios para conseguirem vencer a Rússia.

       

      Entre bandeiras da Ucrânia e também algumas de Portugal e da União Europeia, as centenas de pessoas concentradas no Rossio apelaram a “uma vitória justa” e disseram “muito obrigado, Portugal”, além de terem entoado os hinos dos dois países.

      Empunhando vários cartazes, nos quais se podia ler “O único caminho para a paz – vitória da Ucrânia” ou “Por um amanhã sem guerra. Juntos pela Ucrânia”, os manifestantes marcharam até à Câmara de Lisboa, numa iniciativa organizada pela Embaixada da Ucrânia em Lisboa e pela Associação dos Ucranianos em Portugal.

      “Hoje começamos a nossa manifestação em Lisboa e outras cidades com uma palavra de ‘obrigado, Portugal’. Isto não são só palavras, significa que Portugal foi um exemplo [na forma] como acolheu e ajudou os ucranianos que necessitam a sobreviverem de um genocídio”, disse à Lusa o presidente da associação.

      Pavlo Sadokha frisou que esta iniciativa pretendeu “em primeiro lugar agradecer a todos que ajudaram a Ucrânia” e destacou as declarações dos “representantes mais altos do povo português”, como o Presidente da República, o primeiro-ministro e o presidente da Assembleia da República.

      O responsável destacou o processo de acolhimento dos ucranianos em Portugal, que “correu muito bem” nestes dois anos, e deu conta de que “não há dados concretos sobre quantos ucranianos regressaram à Ucrânia”, estimando-se que entre 1.500 e 2.000 tenham voltado ao país, ainda em guerra.

      O responsável sustentou que os ucranianos vão “continuar até uma vitória justa para a Ucrânia” e frisou que o Governo “já disse o que é preciso para defender” o país. “Em primeiro lugar teremos de ter um apoio político. Em segundo temos de ter apoio militar, porque temos soldados ucranianos com coragem e vontade de defender a nossa pátria, mas sem defesa, armamento, aviões, canhões, tanques não vamos conseguir, porque a potência da Rússia é muito superior à da Ucrânia”, precisou.

      Também Oleksandra, que vive em Portugal há cerca de sete anos, considera que “o essencial é que a guerra acabe o mais rapidamente possível”, mas para tal é preciso “muito mais ajuda” e, no caso de Portugal, o apoio poderia passar por enviar para a Ucrânia aviões F16 e financiamento para armamento.

      Com família na Ucrânia, Oleksandra esteve no seu país de origem em janeiro. “A guerra sente-se em todo o lado, há militares nas ruas, há pessoas que perderam braços ou pernas, há pessoas que perderam familiares e amigos”, contou.

      Lisa Rizol tem 14 anos e chegou a Portugal, juntamente com a mãe, em março de 2022. Tem como sonho que a guerra acabe e voltar para o país natal, onde ficaram o pai e os avós.

      Apesar de estar só há dois anos em Portugal, fala português e congratula-se com a ajuda que sempre teve em Lisboa, apesar de não esquecer que está noutro país.

      Depois de ir de Kiev para Lisboa, onde reside há cinco anos, Oleksandra Kostiuk afirmou à Lusa que se assinala uma “data triste”, de um conflito que tem “dois anos em grande escala, mas no fundo são 10 anos de guerra na Ucrânia”. “O maior desejo é a vitória e paz em todo o território. A Ucrânia tem que continuar a existir como nação livre forte”, disse.

      Com familiares a viver na Ucrânia, a jovem referiu que “a guerra continua a fazer parte da vida deles, mesmo em territórios que não são diretamente afectados”. “Não existe vida pacífica na Ucrânia, cada um continua a sentir-se ameaçado pela invasão russa”, frisou. Outras cidades portuguesas e de outros países receberam manifestações de apoio à Ucrânia.

      A ofensiva militar russa no território ucraniano, lançada em 24 de Fevereiro de 2022, mergulhou a Europa naquela que é considerada a crise de segurança mais grave desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).O conflito provocou a destruição de importantes infraestruturas em várias áreas na Ucrânia, bem como um número por determinar de vítimas civis e militares. Lusa

      Ponto Final
      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau