Edição do dia

Domingo, 21 de Abril, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
céu pouco nublado
24.9 ° C
24.9 °
24.9 °
94 %
5.1kmh
20 %
Sáb
26 °
Dom
26 °
Seg
25 °
Ter
25 °
Qua
25 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      InícioEconomiaOcupação hoteleira durante Ano Novo Chinês chegou a um máximo de 97,9%...

      Ocupação hoteleira durante Ano Novo Chinês chegou a um máximo de 97,9% no dia 13

      Os quartos de hotéis da cidade estiveram praticamente cheios durante todo o período do Ano Novo Chinês, com uma taxa de ocupação de cerca de 95%, e o pico de reservas a chegar aos quase 98% no quarto dia do Ano Novo Lunar. Este também foi o ano em que os 1 milhão e 35 mil visitantes do interior da China bateram recordes, com a média diária de 129 mil a ultrapassar os valores pré-pandémicos de 2019.

       

      De acordo com dados fornecidos pelo sector hoteleiro, durante a semana dourada do Ano Novo Chinês a taxa média de ocupação dos estabelecimentos da indústria hoteleira de Macau foi de 95,2%, num aumento de perto de dez pontos percentuais em relação aos valores registados durante as festividades do ano anterior. Os números foram avançados em comunicado pela Direcção dos Serviços de Turismo (DST), revelando ainda que o dia com maior taxa de ocupação registou-se no dia 13, quarto dia do Ano Novo Lunar, atingindo-se os 97,9%. No geral, o preço médio por quarto dos vários tipos de estabelecimentos do sector, em que se incluem hotéis, hotéis-apartamentos e alojamento de baixo custo, foi de aproximadamente 1.922 patacas por noite, quantia que subiu em 23,4% em comparação com o ano passado.

      Nesta celebração do Ano do Dragão também se acolheu um elevado número de visitantes do interior da China, ultrapassando-se até os números registados em 2019: de acordo com números preliminares destacados pela DST, na semana dourada a média diária de visitantes do interior da China foi de 129 mil, ultrapassando os valores da semana dourada do Festival da Primavera de 2019, com uma taxa de recuperação na ordem dos 101,3%. A fatia de visitantes do interior da China, de 1 milhão e 35 mil, foi de 76,2% do número total, e a média diária representou um aumento de 243% em comparação com período homólogo do ano passado.

      Já os visitantes de Hong Kong, foram em média 32 mil, e internacionais, ao todo, 6.600, numa recuperação de 97,8% e 78,5%, respectivamente.  O número de visitantes do território vizinho contabilizou 253 mil, num aumento de 34,6% em um ano, e a de visitantes internacionais também registou um aumento, subindo 168,8% em relação ao mesmo período do ano passado. Estes valores, sublinharam os Serviços de Turismo, “mostram a tendência positiva da recuperação dos visitantes de Macau”.

      De resto, de uma forma global, o aumento do número de visitantes durante o período do Ano Novo Lunar superou as previsões, com 1 milhão e 358 mil visitantes a virem a Macau.

      A média diária de visitantes foi de perto de 170 mil, numa subida superior a 1,6 vezes em comparação com a semana dourada de 2023, e numa recuperação bem próxima dos valores pré-pandemia, de 2019.

      Nos três primeiros dias do calendário lunar (10 a 12 de Fevereiro), a média diária de visitantes de Macau atingiu os 167.441, e só no terceiro dia, Macau recebeu mais de 217 mil visitantes, ultrapassando os valores diários mais elevados de 2023, e registando o segundo maior valor diário de que há registo. Este foi atingido, recorde-se, também no terceiro dia do Ano Novo Lunar, a 7 de Fevereiro de 2019, com de cerca de 226 mil a virem à cidade.

      Após os bons resultados do Ano Novo Chinês, a DST diz que pretende prosseguir com os “esforços de promoções online e presenciais”, tendo já organizado várias iniciativas de divulgação digital, com ‘influencers’ e programas em canais televisivos, por exemplo.

      A DST revelou ainda que vai “aproveitar” o 25.º aniversário do estabelecimento da RAEM que se celebra este ano para lançar 250 mil ofertas turísticas especiais. Estas vão desde bilhetes de avião e transportes transfronteiriços, a ofertas de alojamento em hotéis, restauração e entretenimento, como bilhetes para espectáculos. A estratégia visa continuar deste modo a atrair mais visitantes internacionais a Macau.