Edição do dia

Quinta-feira, 29 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
nuvens dispersas
14.9 ° C
14.9 °
14.9 °
77 %
8.8kmh
40 %
Qui
15 °
Sex
16 °
Sáb
14 °
Dom
20 °
Seg
21 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China Cientistas identificam o momento da maior extinção em massa da história

      Cientistas identificam o momento da maior extinção em massa da história

      CIÊNCIA

      Uma equipa de investigação liderada por cientistas chineses determinou com maior precisão o momento da extinção em massa que ocorreu há mais de 200 milhões de anos, no final do período Permiano.

      O estudo da equipa, cujas conclusões foram publicadas na revista Science Advances, revelou que diferentes ecossistemas responderam a ritmos distintos à degradação ambiental, ajudando a reconstruir com maior precisão o processo de extinção em massa. “A extinção no final do período Permiano foi a maior da história geológica, eliminando mais de 80% das espécies marinhas e cerca de 90% das espécies terrestres”, disse o especialista da Universidade de Nanjing Shen Shuzhong, diretor da investigação e citado ontem pelo jornal oficial China Daily.

      Os cientistas acreditam que a extinção em massa ocorreu há cerca de 252 milhões de anos, mas “faltava uma investigação detalhada sobre o seu processo em diferentes regiões e ecossistemas”, disse Shen.

      Agora, após mais de dez anos de amostragem no terreno e de datação isotópica de alta precisão, investigadores da China e dos Estados Unidos determinaram pela primeira vez o momento específico da extinção em massa de organismos terrestres na região de baixa latitude no final do período Permiano.

      Com base em amostragens e datações, a extinção em massa da vida terrestre nas baixas latitudes no final do período permiano começou há 251,88 milhões de anos, pelo menos 60.000 anos mais tarde do que a extinção em massa da vida marinha e pelo menos 430.000 anos mais tarde do que o desaparecimento em grande escala da vida terrestre nas altas latitudes.

      Com recurso à base de dados paleontológica global, os investigadores analisaram também as alterações da biodiversidade em diferentes latitudes antes e depois da extinção em massa, o que os levou a concluir que a extinção em massa nas baixas latitudes ocorreu não só mais tarde, mas também a uma escala mais pequena. Isto poderá indicar que o ecossistema terrestre nas baixas latitudes era, nessa altura, mais resistente à pressão ambiental. “Com base nos últimos resultados, podemos reconstituir com maior exatidão o processo de extinção em massa que ocorreu há mais de 200 milhões de anos”, afirmou Shen.

      A extinção foi parcialmente causada por erupções vulcânicas maciças que desencadearam uma mudança climática que eliminou a maioria das espécies da Terra, dando início à era dos dinossauros.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau