Edição do dia

Quinta-feira, 22 de Fevereiro, 2024
Cidade do Santo Nome de Deus de Macau
neblina
21.9 ° C
25.4 °
20.9 °
100 %
3.1kmh
75 %
Qui
23 °
Sex
21 °
Sáb
20 °
Dom
21 °
Seg
20 °

Suplementos

PUB
PUB
Mais
    More
      Início Grande China China confirma condenação de um empresário britânico acusado de espionagem

      China confirma condenação de um empresário britânico acusado de espionagem

      A China confirmou que um empresário britânico que vive no país há cerca de quatro décadas foi condenado a cinco anos de prisão em 2022, acusado de espionagem. Ian J. Stones foi condenado por fornecer informações a “forças externas”, disse o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros, Wang Wenbin, quando questionado sobre o caso. Wang não forneceu mais pormenores sobre as acusações.

      O Reino Unido e os Estados Unidos, entre outros países, alertaram já para o risco de detenção ao abrigo das leis de segurança nacional da China. No ano passado, um funcionário de uma empresa farmacêutica japonesa foi detido por suspeita de espionagem. Uma nova versão da lei, que entrou em vigor a 1 de Julho de 2023, aumentou as preocupações entre empresários, jornalistas e académicos na China.

      O caso de Stones não era conhecido até ser noticiado na quinta-feira pelo The Wall Street Journal. O empresário, que tem 70 anos, trabalhou na China durante cerca de 40 anos. Entre os seus empregadores contavam-se a General Motors e a Pfizer, antes de criar uma empresa de consultoria, a Navisino Partners, há cerca de 15 anos.

      No ano passado, organizações empresariais e governos estrangeiros pediram maior clareza sobre o que as empresas estrangeiras estão autorizadas a fazer ao abrigo da lei de contraespionagem.

      As rusgas aos escritórios de três empresas estrangeiras, duas consultoras e uma empresa de diligência prévia, deixaram ainda mais inquieta a comunidade empresarial. “Poderá ser detido sem ter tido intenção de infringir a lei”, afirma o governo britânico no seu guia de viagem para o estrangeiro.

      O aviso de viagem dos EUA diz que as autoridades chinesas “parecem ter um amplo poder discricionário para considerar uma vasta gama de documentos, dados, estatísticas ou materiais como segredos de Estado e para deter e processar cidadãos estrangeiros por alegada espionagem”.

      A reportagem do Wall Street Journal indicou que os estrangeiros que foram detidos por alegadas violações da lei de segurança nacional incluem empresários, antigos funcionários do governo, académicos, jornalistas e familiares de chineses envolvidos em disputas legais. Stones recorreu da sua condenação, mas um tribunal confirmou a decisão original em setembro, disse Wang. Segundo o tribunal, o caso foi tratado “de acordo com a lei, garantindo os direitos e interesses legítimos das partes chinesas e estrangeiras envolvidas”.

       

      Ponto Finalhttps://pontofinal-macau.com
      Redacção do Ponto Final Macau